Jefferson Rudy/Agência Senado
Jefferson Rudy/Agência Senado

Decisão sobre veto a bancos em transporte de valores é adiada em comissão do Senado

Adiamento ocorreu em função de pedido de vista, após senadores não chegarem a um consenso sobre proibição de bancos serem sócios dessas empresas

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2017 | 16h13

BRASÍLIA - A votação do parecer do senador Vicentinho Alves (PR-TO) sobre o Estatuto da Segurança Privada e da Segurança de Instituições Financeiras, na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), foi adiada para a próxima quarta-feira, 11. O adiamento ocorreu em função de pedido de vista, após senadores não chegarem a um consenso sobre o ponto mais polêmico da proposta: a proibição de bancos serem sócios de empresas de transporte de valores. 

Este veto, que aparece no artigo 20 da proposta, atinge em cheio a TBForte, que hoje abarca 5% do mercado e está ligada à TecBan – que, por sua vez, é controlada pelos principais bancos do País: Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Citibank, Bradesco, Itaú Unibanco e Santander. Se o texto passar no atual formato, os bancos terão que vender a participação na TBForte.

Na terça-feira, 3, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) – que não costuma opinar a respeito de matérias em tramitação – afirmou ao Estadão/Broadcast ser contrária ao veto aos bancos. A entidade argumenta que a venda da TBForte prejudica a livre concorrência. A Febraban também não descarta entrar na Justiça se a proibição às instituições financeiras permanecer.

Na sessão da CAS na manhã desta quarta-feira, 4, após o senador Vicentinho ler seu relatório, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-PE) apresentou uma emenda que busca suprimir a proibição aos bancos. “O projeto claramente atinge uma das empresas que está no mercado (TBForte). Essa empresa, que estabelece a concorrência contra as demais empresas, com a redação do projeto praticamente deixa de existir”, afirmou Randolfe. “A proposta agora é de supressão deste dispositivo, que claramente representa reserva de mercado para outras empresas. Ofende o princípio da livre concorrência, da livre iniciativa”, acrescentou.

++ Rombo de R$ 58 bilhões dos fundos de pensão será coberto pelos contribuintes

Pelo texto da proposta, que vem de um projeto substitutivo encaminhado pela Câmara, as instituições financeiras teriam dois anos para se desfazerem da participação na TBForte. Durante a sessão de hoje na CAS, Vicentinho concordou com a possibilidade, discutida com Randolfe, de ampliar o prazo para quatro anos.

Além disso, Vicentinho pontuou que o projeto não impede que um banco possa constituir empresa orgânica no setor – ou seja, para prestar serviços para ele próprio. A proibição é de participação em companhias de segurança que prestam serviços a terceiros.   

Ainda assim, vários senadores presentes à sessão demonstraram dúvidas a respeito do artigo. O senador Hélio José (PMDB-DF) defendeu a proposta de Randolfe, de retirar do texto a proibição aos bancos. “Quem tem que fazer controle de mercado é o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), não somos nós do Senado Federal”, pontuou.

++ Câmara conclui votação do Refis com perdão a igrejas e veto a suspeitos de corrupção

O texto do substitutivo tem gerado polêmica desde que chegou ao Senado. Isso porque o presidente da Casa, senador Eunício Oliveira, vem sendo apontado como um dos interessados numa possível restrição da concorrência, já que ele é dono da Confederal e da Corpvs, empresas que atuam no setor. Originalmente, o texto também proibia a participação de estrangeiros em empresas de segurança privada. Isso foi retirado na versão do senador Vicentinho. O veto a bancos, no entanto, permanece.

Eunício, por sua vez, tem dito que está legalmente afastado das decisões administrativas e gerenciais das suas empresas desde 1998 e que é contra qualquer restrição à livre concorrência.

Com a concessão do visto na sessão desta quarta-feira, após pedido de Randolfe e do senador Eduardo Amorim (PSDB-SE), o relatório de Vicentinho será votado na CAS apenas na próxima quarta-feira. Depois, o texto ainda precisará passar pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e pelo plenário do Senado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.