Helvio Romero/Estadão - 20/4/2010
Helvio Romero/Estadão - 20/4/2010

Demanda aérea doméstica de passageiros sobe 5,7% em novembro, diz Anac

Já a oferta de assentos aumentou 3,3% na comparação com o mesmo período do ano anterior; dados foram divulgados nesta quarta-feira, 27

Leticia Fucuchima, O Estado de S.Paulo

27 Dezembro 2017 | 12h21

A demanda por transporte aéreo doméstico (medida em passageiros-quilômetros pagos transportados, ou RPK) cresceu 5,7% em novembro ante igual período do ano passado, completando a nona alta consecutiva, informou a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) nesta quarta-feira, 27. O volume de passageiros transportados pagos em voos domésticos chegou a 7,6 milhões, 5,0% acima do registrado em novembro de 2016.

Já a oferta de assentos (assentos-quilômetros ofertados, ou ASK) aumentou 3,3% na mesma base de comparação, mantendo a tendência de crescimento pelo quinto mês consecutivo.

Com isso, a taxa de ocupação dos voos domésticos alcançou 82,6% em novembro, o maior nível para o mês na série histórica, iniciada em 2000. Em relação ao anotado em novembro de 2016, houve alta de 2,3%.

No acumulado dos onze meses de 2017, a demanda aérea avançou 3,0%, enquanto a oferta se expandiu 1,2%, quando comparadas ao verificado no mesmo período do ano passado.

+ Câmara aprova acordo de céus abertos entre Brasil e Estados Unidos

A Gol e a Latam permaneceram na liderança no mercado doméstico em novembro, com 36,5% e 32,9%, respectivamente, da demanda mensal. A Azul alcançou participação de 17,0% no período, enquanto a Avianca respondeu por 13,2%.

Por sua vez, o transporte doméstico de carga paga e correio alcançou 40,028 mil toneladas em novembro, correspondendo a uma alta de 7,6% ante igual mês de 2016. No acumulado do ano, o indicador registra crescimento de 1,2%.

Internacional. A demanda internacional das empresas brasileiras subiu 6,3% em novembro na comparação anual, representando a 14º alta consecutiva. Ao mesmo tempo, a oferta cresceu 9,6%, mantendo a tendência de elevação pelo 13º mês seguido. De acordo com a Anac, ambos os indicadores atingiram o maior nível para novembro desde o início da série histórica, em 2000.

Assim, a taxa de aproveitamento dos assentos em voos de empresas brasileiras no mercado internacional atingiu 82,4% no mês, 3,0% abaixo do verificado em novembro de 2016 - a quarta baixa consecutiva, após uma sequência de 14 meses de expansão.

+ Celso Ming: Nós e a dança dos preços

No acumulado de janeiro a setembro de 2017, a demanda neste mercado cresceu 12,2% frente a igual período de 2016, enquanto a oferta aumentou 10,5%.

Com relação à participação do mercado internacional entre as aéreas brasileiras, a Avianca foi o destaque, tendo saltado de um share praticamente nulo até maio de 2017 para 6,1% em novembro. A Latam encerrou o mês com 71,2% de participação, enquanto a Azul obteve 11,9% e a Gol alcançou a fatia de 10,7%. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.