Desemprego fica estável e renda cai em SP

Em outubro, a taxa de desemprego na Região Metropolitana de São Paulo, apurada em conjunto pela Fundação Seade e pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), permaneceu estável, em 16,9%, da População Economicamente Ativa (PEA) - potencial de mão-de-obra com que pode contar o setor produtivo, isto é, a população ocupada e a população desocupada. O resultado foi o melhor para o mês desde outubro de 2000 (16,3%). No mesmo período do ano passado, o desemprego estava em 17,6%. Em outubro de 2005, a Região Metropolitana de São Paulo tinha 1,691 milhão desempregados. No mesmo mês, o nível de ocupação se manteve praticamente estável, em relação aos cinco meses anteriores. O total de ocupados foi estimado em 8,317 milhões de pessoas. Por setor de atividade, o comportamento foi o seguinte: na Indústria, houve 32 mil contratações em outubro; no Comércio, a alta foi de 24 mil empregos; e o setor de Serviços foi o único a cortar vagas, com 77 mil demissões. Em Outros Setores, que englobam Construção Civil e Serviços Domésticos, houve expansão de 17 mil ocupações. Renda cai Segundo a pesquisa, o rendimento médio real dos ocupados recuou 1% em setembro, após três meses em alta, passando para R$ 1.071. A massa de rendimentos dos ocupados diminuiu 1,4% no mesmo período.

Agencia Estado,

23 Novembro 2005 | 12h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.