1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Desemprego salta para 9,5% e número de desocupados chega a 9,6 milhões

- Atualizado: 24 Março 2016 | 10h 36

Total de desempregados no trimestre encerrado em janeiro subiu 42% em relação ao mesmo período de 2015, época em que a taxa de desocupação medida pela Pnad Contínua estava em 6,8%

Renda média real do trabalhador foi de R$ 1.939 no trimestre até janeiro

Renda média real do trabalhador foi de R$ 1.939 no trimestre até janeiro

RIO - A taxa de desocupação no Brasil ficou em 9,5% no trimestre encerrado em janeiro de 2016, de acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua divulgados há pouco pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O número de desocupados chegou a 9,6 milhões de pessoas, uma alta de 42,3% (mais 2,9 milhões de pessoas) em relação ao mesmo período de 2015.

A taxa de desemprego de 9,5% é a mais alta da série histórica da pesquisa, iniciada no primeiro trimestre de 2012. O número de desempregados e o crescimento do contingente de pessoas na fila do emprego também foram recorde.

O resultado da taxa de desemprego ficou dentro das expectativas dos analistas ouvidos pela Agência Estado, que estimavam uma taxa de desemprego entre 8,90% e 9,70%, com mediana de 9,25%. Em igual período do ano passado, a taxa de desemprego medida pela Pnad Contínua estava em 6,8%. Em dezembro de 2015, a taxa no trimestre final do ano estava em 9%.

A renda média real do trabalhador foi de R$ 1.939 no trimestre até janeiro de 2016. O resultado representa queda de 2,4% em relação ao mesmo período do ano anterior. Além de ter queda, em média, o reajuste salarial não está acompanhando a inflação

A massa de renda real habitual paga aos ocupados somou R$ 172,8 bilhões no trimestre até janeiro, queda de 3,1% ante igual período do ano anterior.

Desde janeiro de 2014, o IBGE passou a divulgar a taxa de desocupação em bases trimestrais para todo o território nacional. A nova pesquisa substitui a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), encerrada nesta quarta-feira, que abrangia apenas as seis principais regiões metropolitanas, e também a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) anual, que produz informações referentes somente ao mês de setembro de cada ano. Pela PME, o desemprego ficou em 6,8%.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX