1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Desemprego vai a 9% e mercado de trabalho completa quase um ano de rápida deterioração

- Atualizado: 15 Janeiro 2016 | 12h 03

Taxa do IBGE é referente ao trimestre encerrado em outubro de 2015; foi o 10º aumento seguido da desocupação no País, que já tem mais de 9 milhões de pessoas desempregadas    

Brasil tem mais de 9 milhões de pessoas desempregadas

Brasil tem mais de 9 milhões de pessoas desempregadas

RIO - A taxa de desocupação no Brasil ficou em 9% no trimestre até outubro de 2015, de acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgados nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Trata-se do maior resultado da série, iniciada em janeiro de 2012, e o décimo aumento seguido do indicador - que completa quase um ano de rápida deterioração. Segundo o IBGE, o País já tem 9,1 milhões de desempregados.

O resultado ficou dentro do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo AE Projeções, que esperavam taxa entre 8,90% e 9,50%, com mediana de 9%. Entre agosto e outubro de 2014, a taxa de desemprego medida pela Pnad Contínua ficou em 6,6%.

Já a renda média real do trabalhador foi de R$ 1.895 no trimestre até outubro de 2015. O resultado representa uma queda de 1% em relação a igual período de 2014. Na comparação com o trimestre até julho, feita para que não haja repetição das informações coletadas (a cada mês o IBGE visita 33% dos domicílios da amostra), houve recuo de 0,7% na renda média real.

A massa de renda real habitual paga aos ocupados somou R$ 169,6 bilhões no trimestre até outubro de 2015, queda de 1,2% ante igual período de 2014 e recuo de 0,3% ante o trimestre até julho de 2015.

Desde janeiro de 2014, o IBGE passou a divulgar a taxa de desocupação em bases trimestrais para todo o território nacional. A nova pesquisa tem por objetivo substituir a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), que abrange apenas seis regiões metropolitanas e será encerrada em fevereiro de 2016, e também a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) anual, que produz informações referentes somente ao mês de setembro de cada ano.

Carteira assinada. O número de trabalhadores com carteira assinada no setor privado diminuiu 3,2% no trimestre até outubro de 2015 em relação a igual período do ano anterior. Com isso, 1,2 milhão de pessoas perderam o emprego formal no período.

O número de trabalhadores por conta própria, por sua vez, avançou 4,2% no mesmo intervalo. Isso significa que 913 mil pessoas ingressaram nessa modalidade de trabalho, caracterizada, em sua maioria, pela informalidade. Já o contingente de empregados no setor público diminuiu 1,3%, o que significa 151 mil pessoas a menos.

Dentre os setores, a indústria cortou 751 mil postos de trabalho em todo o País na comparação com 2014. Foi o setor que mais dispensou em um ano, com queda de 5,6% no total de pessoal ocupado no período.

O segundo setor que mais demitiu foi o de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas, com extinção de 429 mil postos. O número de pessoas em atividade nesse segmento encolheu 4% em um ano.

Nos outros serviços, foram dispensados 172 mil pessoas, uma queda de 4%. Também houve demissões na construção (-159 mil vagas) e na agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (-153 mil vagas).

Por outro lado, houve contratações no comércio (+398 mil vagas), no setor de transportes (+193 mil vagas), em alojamento e alimentação (+199 mil vagas), na administração pública (+393 mil vagas) e nos serviços domésticos (+200 mil vagas), sempre na comparação do trimestre até outubro de 2015 em relação a igual período de 2014. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX