Jaime Saldarriaga/Reuters
Jaime Saldarriaga/Reuters

Desmobilização das Farc aumenta risco

Temor da polícia colombiana é ter cada vez mais mercenários do grupo protegendo as drogas

Karla Mendes, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

24 Julho 2017 | 05h00

O tráfico de drogas é um componente explosivo para o aumento da pirataria e violência na Amazônia. O trecho do Rio Solimões entre as cidades de Coari e Tefé, no Amazonas, dominado por piratas, é o mais violento entre os rios da Amazônia, por causa dos carregamentos de drogas que vêm da Colômbia e do Peru.

“Eles ficam na espreita para ver os traficantes com droga, assaltam esses traficantes, matam para não deixar vestígio nenhum, pegam a droga e vendem para os adversários”, revela Mauro Sposito, delegado de Polícia Federal aposentado, especializado em crime organizado, e assessor da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas. Quando não têm droga, as embarcações têm que pagar um ‘pedágio’ de 2 mil litros de combustível.

“Marinha, Polícia Federal e Forças Armadas apreendem droga o tempo todo… Os traficantes passaram a descer mais armados para proteger a carga”, afirma Sergio Fontes, secretário de Segurança Pública do Amazonas.

Várias operações da Polícia Militar, em conjunto com o sindicato dos armadores, também têm sido feitas para tentar conter os ataques no trecho. Para fiscalizar as embarcações que navegam pelo Solimões, foi instituída a Base Anzol, que funciona 24 horas por dia na tríplice fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru, para tentar conter crimes como o narcotráfico internacional, contrabando e a violência na região. Também tem sido feita a compra de material bélico para aumentar o patrulhamento na área.

No entanto, Fontes teme que a desmobilização das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) aumente o nível de violência na região. “A polícia colombiana já encontrou vários locais cavados na terra com armamento, droga e dinheiro. Nosso medo é ter cada vez mais mercenários das Farc protegendo droga e o nível de enfrentamento aumentar”.

Segundo Fontes, o Alto Solimões está cada vez mais perigoso. “O Exército teve combates com traficantes na fronteira. Quando começam a enfrentar o Exército, é porque a coisa está bem perigosa.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.