1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Diretoria da Usiminas deve propor capitalização de R$ 1 bi

- Atualizado: 16 Fevereiro 2016 | 18h 27

Ainda não há consenso sobre o tema entre os dois principais sócios da siderúrgica, Ternium e Nippon Steel, mas uma decisão deve ser tomada em reunião do conselho na quarta-feira, 17

Siderúrgica mineira já desligou três dos seus cinco altos-fornos, em Ipatinga (MG) e em Cubatão (SP)
Siderúrgica mineira já desligou três dos seus cinco altos-fornos, em Ipatinga (MG) e em Cubatão (SP)

A diretoria da Usiminas deverá propor na quarta-feira, 17, ao seu Conselho de Administração um aumento de capital da siderúrgica, apurou o Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado. O montante dessa capitalização deve ser de cerca de R$ 1 bilhão, conforme fontes próximas à companhia. No entanto, até o momento não há consenso sobre o tema entre os dois principais sócios da siderúrgica, Ternium e Nippon Steel, mas um desfecho sobre esse capítulo poderá ocorrer amanhã, em reunião do colegiado que acontecerá em São Paulo. Uma capitalização como única alternativa para a Usiminas foi antecipada pelo Broadcast em janeiro.

Para que essa proposta de capitalização seja aprovada é necessário consenso no bloco de controle, formado por Ternium, Nippon Steel e Previdência Usiminas, conforme exigência do acordo de acionistas que é válido até 2031. Se a diretoria da siderúrgica mineira fizer essa proposta, a sinalização é de que a Nippon aceite a injeção de capital, disse uma fonte. Já a Ternium destacou que, antes de se discutir um aumento de capital, é necessário um choque de gestão na Usiminas. "A empresa passa por uma crise estrutural, que precisa ser resolvida. Um novo investimento vai apenas adiar os problemas e não atacar a causa", afirmou a empresa.

Esse capital é necessário para que a companhia consiga fechar as contas em 2016, tendo em vista o atual cenário desfavorável ao setor siderúrgico. Depois da queda de 2015, o Instituto Aço Brasil (IABr), por exemplo, estima baixa de 4% nas vendas internas em 2016. Como a Usiminas possui leque muito estreito de ativos para desinvestimento e considerando que as vendas devem ocorrer em um ritmo lento, a injeção de capital já vinha sendo apontada desde o ano passado como única saída para a empresa evitar a recuperação judicial, como noticiou na época o Broadcast.

Ao fim de setembro, a Usiminas tinha R$ 2,4 bilhões em caixa, mas R$ 1,3 bilhão desse montante estava na sua subsidiária Mineração Usiminas (Musa), que tem a japonesa Sumitomo como sócia, ou seja, a siderúrgica não tem acesso a esse capital. No entanto, a japonesa não liberou a ida desse caixa para a Usiminas, segundo fontes.

Amanhã, há reunião marcada do Conselho da Usiminas, que tem na pauta a aprovação do demonstrativo financeiro referente ao quarto trimestre do ano passado. A empresa deverá reportar o sexto prejuízo trimestral consecutivo e o segundo Ebitda negativo, conforme noticiou ontem o Broadcast. Além disso, conforme uma fonte, será discutido o planejamento da companhia para 2016, momento em que o aumento de capital poderá ser discutido.

"As posições de Nippon e Ternium estão muito inflexíveis", disse uma fonte próxima ao governo de Minas Gerais que tem acompanhado de perto parte das conversas entre as empresas. A questão é que um entendimento precisaria ocorrer em um prazo curto, visto que o caixa da empresa já está próximo de chegar ao fim. Na companhia, disse uma fonte, há uma certa apreensão sobre a aprovação desse aporte.

Endividada e sem conseguir gerar caixa, o aumento de capital ajudaria nas negociações de rolagem de dívida da siderúrgica com os bancos comerciais. Esse ponto, inclusive, foi apontado pelos credores para que a renegociação tivesse sucesso. Os vencimentos da Usiminas para este ano somam cerca de R$ 1,7 bilhão. Os principais credores bancários da Usiminas são os três maiores bancos do País (Itaú, Bradesco e Banco do Brasil), além de BNDES e JBIC (Japan Bank for International Cooperation). O alongamento da dívida é uma prática dos bancos comerciais. Dessa dívida com vencimento neste ano, por exemplo, R$ 250 milhões está junto ao BNDES.

Ao final de setembro, a Usiminas registrava uma dívida bruta de R$ 8,1 bilhões, sendo cerca de 50% no mercado interno e o restante no externo. O serviço de juros anual, ou seja, o pagamento de juros, chega a quase R$ 900 milhões.

Além desse valor, a Usiminas precisa de dinheiro para operar capex de manutenção, que deve ficar em torno de R$ 300 milhões, bem mais baixo do que o anotado no ano passado, dado que a usina de Cubatão teve, há algumas semanas, a sua atividade primária paralisada.

Em paralelo a essa injeção de capital, a Usiminas tenta seguir com seu plano de desinvestimento. O seu principal ativo é a Usiminas Mecânica, que atua no segmento de bens de capital, sendo que para sua negociação o Credit Suisse já foi contratado como assessor financeiro. No entanto, fontes afirmam que dado o contexto desse setor, a venda não deve ser fácil e dificilmente a Usiminas irá levantar mais do que R$ 400 milhões com essa alienação.

Recuperação Judicial. Sem entrada de capital novo, um processo de recuperação judicial é apontado como inevitável, afirmam fontes de mercado. No entanto, uma fonte disse que esse caminho é inviável para a sobrevivência da Usiminas, já que a compra de matéria-prima é feita com financiamento bancário e a empresa tem, nesse momento, um estoque de carvão e minério de ferro que duraria poucas semanas, por exemplo.

Procuradas, Usiminas e Nippon não comentaram.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX