1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Dívida da Petrobrás pressiona nota de crédito do Brasil

- Atualizado: 17 Fevereiro 2016 | 21h 34

Endividamento da estatal contribuiu para piorar a classificação do País porque eleva a percepção de que a empresa será 'salva' pelo Tesouro Nacional

BRASÍLIA - O governo já previa o risco de novo rebaixamento pela Standard & Poor’s, mas o anúncio da decisão da agência de classificação de risco só era esperado mais para meados do ano. A antecipação se deveu a fatores como o adiamento do corte do Orçamento deste ano e o anúncio de medidas de crédito com uso de bancos públicos. Também entraram na conta os problemas que a Petrobrás enfrenta, com seu alto nível de endividamento.

As dificuldades da estatal para financiar a dívida entre 2017 e 2018 contribuíram para piorar o rating do País porque elevam a percepção de que a empresa será “salva” pelo Tesouro Nacional, com algum tipo de apoio financeiro. Essa possibilidade de o governo interceder para apoiar a empresa coloca pressão sobre o rating soberano do País, enfraquecendo a nota. Já para a Petrobrás, funciona ao contrário. A possibilidade de ajuda do governo minimiza de alguma forma seus riscos, na avaliação feita pela agência.

Para a Petrobrás, possibilidade de socorro pelo governo ajuda na avaliação de risco

Para a Petrobrás, possibilidade de socorro pelo governo ajuda na avaliação de risco

A expectativa no governo era de que coubesse à agência Moody’s – cujos representantes estiveram recentemente no Brasil – o próximo movimento, retirando o grau de investimento concedido ao País, como já tinham feito a própria S&P e a Fitch no ano passado.

Queixas no Planalto. Uma das queixas ouvidas no Palácio do Planalto foi que o rebaixamento veio apenas cinco meses após a S&P ter tirado o grau de investimento do Brasil. Assessores avaliam que, de lá pra cá, o governo não teve tempo de colocar em prática as medidas econômicas desejadas, principalmente porque o Congresso ficou 40 dias em recesso e não houve como votar medidas importantes da área econômica.

No entanto, o atraso no decreto orçamentário, esperado para sexta-feira passada, foi um sinal muito ruim, junto com a perspectiva de um contingenciamento insuficiente para deixar o governo próximo da meta de superávit primário para as contas do setor público. Também ficou claro para os representantes da S&P a necessidade do governo de revisar a meta na direção de um déficit. O aumento dos chamados “passivos contingentes” do setor público, como, por exemplo, operações que têm aval e garantia da União, também é foco de preocupação da agência.

Apesar do discurso público do governo de que será possível reverter a decisão, como defendeu ontem o Ministério da Fazenda em nota, o novo rebaixamento aprofunda a piora da percepção de recuperação da crise econômica e dificulta ainda mais as chances de uma melhora da nota brasileira, principalmente porque a S&P colocou o viés da nota em perspectiva negativa. Na nota oficial, o Ministério da Fazenda disse estar convicto de que a revisão da nota do Brasil é temporária e será revertida assim que os resultados das medidas em andamento comecem a produzir efeitos na economia. / COLABORARAM LORENNA RODRIGUES E TÂNIA MONTEIRO

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX