1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Dólar fecha em alta e Bolsa cai com peso do cenário político

- Atualizado: 14 Março 2016 | 17h 59

Após recuo de mais de 10% em março, a moeda americana subiu para R$ 3,64, enquanto a Bolsa encerrou com queda de 1,55%

Mercado está incerto sobre a tendência na política

Mercado está incerto sobre a tendência na política

Após o recuo de mais de 10% acumulado em março, o dólar passou hoje por ajustes no mercado brasileiro, com investidores recompondo parte das posições na moeda americana. O movimento foi intensificado no fim da tarde, quando surgiram notícias que, em tese, podem fortalecer a luta da presidente Dilma Rousseff contra o impeachment. O resultado foi o avanço firme do dólar ante o real, de mais de 1%, na segunda alta da moeda em um total de dez sessões de março. Já a Bovespa, que oscilou perto da estabilidade durante boa parte do dia, despencou na reta final após as notícias no campo político.

O dólar subiu 1,48% ante o real, aos R$ 3,6476. Pela manhã, ele até chegou a ceder, dando continuidade ao movimento de sexta-feira, quando investidores se posicionaram na venda de moeda na expectativa de que, no domingo, as manifestações a favor do impeachment fossem bem-sucedidas.

Os protestos foram, de fato, mais um fator de pressão sobre o governo, mas profissionais do mercado avaliavam que a crise política está longe de um desfecho. Ao mesmo tempo, as cotações baixas para a moeda americana, após o recuo mais recente, abria espaço para compras. Isso fez o dólar, em menos de 10 minutos de sessão, migrar para o território positivo ante o real.

Já as notícias que surgiram à tarde foram mais positivas que negativas para o governo, na visão do mercado. Perto das 16 horas, fontes ouvidas pelo Broadcast informaram que, com o aval de Dilma, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), decidiu articular a votação de uma proposta que reduziria os poderes de ela governar. Seria o "semiparlamentarismo", que permitiria à petista se manter no cargo sem ser afastada definitivamente pelo impeachment. O primeiro-ministro seria o vice-presidente Michel Temer.

Além disso, circulavam pelas mesas notícias de que Dilma aguarda apenas um telefonema de Lula confirmando que ele aceita ser ministro. Já a juíza Maria Priscilla Ernandes, da 4ª Vara Criminal de São Paulo, decidiu mandar para o juiz federal Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, a denúncia e o pedido de prisão feitos pelo Ministério Público estadual contra Lula no caso do tríplex. Na prática, a decisão sobre possível prisão de Lula ficou mais para frente, enquanto o petista pode virar superministro a qualquer momento, o que lhe daria foro privilegiado.

Em meio a estas notícias políticas, o dólar à vista renovou máximas na reta final e, às 16h59, marcou R$ 3,6511 (+1,57%). Depois, terminou muito próximo do pico do dia, aos R$ 3,6476 (+1,48%).

O principal indicador da Bolsa brasileira encerrou o pregão com um recuo de 1,55% aos 48.867,33 pontos. Apesar do sinal negativo, o Ibovespa ainda acumula uma alta de 14,19% no mês e espaço, portanto, para realização de lucros de investidores com posição comprada.

O Ibovespa, por sua vez, firmou-se em queda na última hora de pregão, ao mesmo tempo que o dólar bateu máximas. O movimento aconteceu logo depois de circular pelas mesas de operação a notícia de que a presidente Dilma Rousseff estaria apenas esperando por um telefonema de Lula para nomeá-lo ministro.

As maiores baixas na carteira Ibovespa nesta segunda-feira foram de Petrobras PN (-8,53%), Usiminas PNA (-8,42%) e Rumo ON (-8,15%). As maiores altas foram de Braskem PNA (+6,23%), Fibria ON (+6,19%) e Suzano PNA (+5,02%).

O petróleo, que fechou em queda tanto na Nymex (-3,42%), em Nova York, quanto na ICE (-2,13%), em Londres, gerou pressão baixista sobre os papéis da Petrobrás ao longo de toda a sessão. Assim como a PN, a ON da petroleira encerrou o pregão em queda de 5,45%.

Assim como a Petrobrás, as ações da Vale refletiram a pressão negativa vinda da desvalorização de commodity. No dia em que o minério de ferro recuou 1,1% no mercado chinês, para US$ 55,5 a tonelada seca, a ON da Vale fechou em queda de 3,10%, e a PNA recuou 4,42%.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX