1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Dólar tem 4ª alta seguida e fecha o dia cotado a R$ 2,286

Agência Estado - Fabrício de Castro

25 Agosto 2014 | 17h 25

Moeda deu continuidade ao recente movimento de alta, iniciado após a divulgação da última ata do BC dos EUA, que indicou que a elevação dos juros no país está próxima 

Atualizado às 18h40

O dólar completou nesta segunda-feira sua quarta sessão consecutiva de ganhos ante o real, dando continuidade ao movimento mais recente da moeda americana, iniciado após a divulgação da ata da última reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA). O avanço do dólar ante o euro e outras divisas de países emergentes no exterior influenciou os negócios no Brasil, assim como as especulações sobre a próxima pesquisa eleitoral do Ibope, que será divulgada nesta terça-feira. 

O dólar à vista negociado no balcão fechou em alta de 0,26%, a R$ 2,2860. Este é o maior patamar desde 7 de agosto. No mercado futuro, o dólar para setembro subia 0,35%, a R$ 2,2910. 

A moeda americana manteve-se em alta durante a maior parte do dia, embora tenha registrado leves perdas no início da sessão. Às 9h08, o dólar de balcão marcou a mínima de R$ 2,2760 (-0,18%). Mas a sensação de que o Federal Reserve está próximo de elevar os juros - podendo até mesmo antecipar a elevação, como sinalizou sua última ata - sustentou a alta do dólar ante outras divisas no exterior, o que acabou influenciando os negócios também no Brasil. 

Ao mesmo tempo, os investidores operaram em meio às especulações com a eleição. Se em pesquisas anteriores um fortalecimento da oposição se refletia em baixa para o dólar, em função de um otimismo maior do mercado com a economia e da perspectiva de atração de mais recursos do exterior, desta vez o movimento foi contrário. 

Profissionais disseram hoje que a chance de Marina Silva (PSB) ou Aécio Neves (PSDB) derrotarem Dilma Rousseff (PT) no segundo turno eleva a probabilidade de menos intervenção no câmbio a partir de 2015. A partir desta lógica, o programa de leilões diários de swaps, por exemplo, tenderia a ser encerrado em um novo governo, o que colocaria o dólar em patamares mais altos. Hoje, as cotações reagiram a essa possibilidade.

Os dados da balança comercial brasileira reforçaram o viés de alta. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), houve déficit de US$ 214 milhões na quarta semana de agosto. Com isso, no acumulado do mês a balança está deficitária em US$ 134 milhões e, no ano, negativa em US$ 785 milhões. Com isso, a moeda à vista de balcão registrou a máxima de R$ 2,2900 (+0,44%) às 15h08, para depois encerrar um pouco mais acomodada, a R$ 2,2860.