1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Dúvidas levam investidores ao Ministério da Fazenda

- Atualizado: 15 Março 2016 | 22h 34

Possível guinada na economia com o ingresso do ex-presidente Lula no governo é motivo de questionamentos; equipe econômica diz que vai manter urgência em medidas

Preocupados com o risco de uma guinada na economia com o ingresso do ex-presidente Lula no staff ministerial, investidores e representantes do mercado financeiro têm protagonizado uma verdadeira corrida ao Ministério da Fazenda em busca de informações sobre a estratégia de política econômica que será adotada com o agravamento da crise política.

Segundo apurou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, a equipe econômica tem procurado mostrar que vai manter o “sentido de urgência” para o encaminhamento das medidas da agenda econômica já anunciadas. Apesar da proposta de reforma da Previdência ter sido posta de lado por conta do acirramento do ambiente político, o cronograma das ações de médio e longo prazos, incluindo a reforma fiscal e o projeto de alongamento da dívida dos Estados, está mantido. Nos próximos dias, os projetos devem ser enviados ao Congresso.

Paralelamente, o governo busca avançar numa agenda regulatória na área de petróleo, aviação e de telecomunicações. Essa última será o próximo plano a ser anunciado pela área econômica. Mesmo a preparação da proposta de reforma das regras da Previdência não foi interrompida pela área econômica. O Fórum da Previdência, criado para definir uma proposta, manteve o cronograma e reuniu-se nesta terça-feira, 15, em São Paulo.

Segundo fontes da equipe econômica, não é intenção do governo fazer uso das reservas internacionais, como pressionam setores do PT. A avaliação é de que informações desencontradas sobre esse tema provocam ruídos desnecessários nesse momento de fortes turbulências no mercado.

“A nossa estratégia não muda. Temos um projeto com começo, meio e fim e medidas de curto e longo prazos”, afirmou um integrante da equipe econômica. Essa programação inclui a abertura de espaço fiscal para acomodar a queda de arrecadação e medidas para estimular o crédito, mas não há planos de mudança de rota.

O entendimento é de que é preciso mais do que nunca “tocar” a agenda. “Não podemos ficar paralisados à espera de uma janela de oportunidade”, disse outro membro da equipe.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX