1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

É contínuo e rápido o ajuste dos serviços

Último setor da economia a registrar os efeitos da crise, o de serviços vem apresentando queda contínua e acelerada, mas ainda não parece ter chegado ao fundo do poço. Depois de cair 4,8% em setembro e 5,8% em outubro, na comparação com iguais períodos de 2014, o volume de serviços teve queda de 6,3% em novembro, de acordo com a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE. Nos 11 primeiros meses do ano, a queda foi de 3,4% e nos 12 meses encerrados em novembro, de 3,1%, a maior desde 2013, quando o IBGE passou a publicar os resultados mensais do setor.

O desempenho do setor, medido pelo faturamento real ou pelo volume – critério utilizado pelo IBGE desde agosto do ano passado –, é um dos mais importantes indicadores do nível de atividade econômica. Não é de estranhar, pois, que o resultado acumulado em 12 meses esteja muito próximo do encolhimento previsto para o Produto Interno Bruto (PIB) no ano passado.

Entre os diferentes serviços, os que apresentaram queda mais acentuada no ano foram os classificados como “outros serviços”, que incluem os serviços financeiros e o setor imobiliário, que registraram redução de 8,9%. O setor imobiliário, como se sabe, vem registrando forte retração, por causa do aumento do desemprego, da redução da renda real da população e das restrições ao crédito.

Previsível numa economia fortemente dependente do transporte rodoviário, o impacto da crise sobre o setor de transporte terrestre foi notável: redução de 10,2%.

A queda de 5,1% do volume dos serviços prestados às família é reflexo direto da queda da renda da população. Entre esses serviços, um dos segmentos que apresentaram o pior desempenho foi o de alojamento e alimentação. Num período de contenção de gastos, as famílias cortam primeiro aqueles que resultam em menores sacrifícios, como viagens e alimentação fora da residência.

Na soma dos serviços profissionais, administrativos e complementares, a queda de 3,8% detectada pelo IBGE não surpreende. Examinando, porém, o comportamento dos componentes desse segmento, observa-se que os serviços técnico-profissionais encolheram 9,3%. As empresas estão cortando drasticamente os gastos com esses itens.

Até setores que ainda registram resultado positivo no acumulado do ano, como o de informação e comunicação, tiveram queda em novembro. O ajuste deve se estender pelo primeiro trimestre de 2016.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX