1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Economistas creem que Fed irá elevar juros a partir de junho, diz WSJ

- Atualizado: 11 Fevereiro 2016 | 14h 46

Número representa uma forte mudança em relação à pesquisa de janeiro, quando 66% disseram acreditar em uma alta já em março

NOVA YORK - O Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) não deve elevar os juros já na reunião de março, mas pode fazê-lo em junho ou mais tarde, de acordo com um levantamento feito com 69 economistas feito pelo Wall Street Journal.

Apenas 9% dos analistas da academia e do mercado consultados pelo jornal disseram que a autoridade monetária pode elevar os juros na próxima reunião. O número representa uma forte mudança em relação ao levantamento do mês passado, quando 66% disseram acreditar em uma alta já em março. Agora, cerca de 60% disseram crer em uma alta na reunião de junho, ante 25% na pesquisa de janeiro.

"Mercados mais calmos e indicadores econômicos positivos devem compor o cenário" na metade do ano, disse a economista Lynn Rease, da universidade de Point Loma Nazarene.

A porcentagem de entrevistados que disse crer em uma elevação dos juros na reunião de abril subiu de 7% para 13%. O restante dos economistas disse esperar uma elevação dos juros para depois de junho. Outros 3% acreditam que a próxima ação do Fed será de reduzir os juros.

A média das projeções feitas pelos economistas mostra que os federal funds devem atingir 0,94% no final de 2016, queda ante os 1,14% do levantamento anterior. Isto sugere que o Fed deve realizar cerca de 2 elevações este ano, contra três anteriormente. Na reunião de dezembro, a autoridade monetária indicou quatro elevações. Há uma "probabilidade mais alta de novos adiamentos na subida dos juros", disse o economista-chefe do BBVA, Nathaniel Karp.

Yellen reiterou que o Fed está monitorando cuidadosamente o mercado financeiro global

Yellen reiterou que o Fed está monitorando cuidadosamente o mercado financeiro global

Economia em foco. Em seu segundo dia de discurso no Congresso, a presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Janet Yellen, reiterou em depoimento ao Senado americano que o Fed está monitorando cuidadosamente o mercado financeiro global e que acontecimentos econômicos poderiam afetar a trajetória dos EUA, mas reforçou que sua avaliação é que uma contração não é iminente.

"Sempre há chance de recessão em qualquer ano, mas as evidências sugerem que expansões não morrem de velhice", disse. Ela ainda comentou que é prematuro dizer se os recentes acontecimentos alteraram o equilíbrio de riscos para o lado negativo, mas notou que o Fed "monitora a perspectiva" e que esses acontecimentos serão considerados na reunião de política monetária de março. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX