Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia & Negócios

Economia » Em 2015, ‘conta própria’ segura desemprego

Economia & Negócios

Em 2015, ‘conta própria’ segura desemprego

Os dados de emprego e renda da Pnad Contínua em 2015 apresentam grande deterioração do emprego e da renda no nível nacional. Apesar da estagnação da taxa de desemprego entre novembro e dezembro, relacionada às contratações temporárias de Natal, há espaço para aumento no início do ano, sinalizado pelo avanço do desemprego das Regiões Metropolitanas para 7,6% em janeiro e a contínua deterioração do setor de serviços, até então o de maior geração de vagas.

0

Tiago Cabral Barreira*

15 Março 2016 | 22h26

Grande parte do aumento do desemprego em 2015 se deve ao crescimento da população economicamente ativa. A taxa de participação da força de trabalho no total da população alcançou 61,4% em dezembro, ante 60,8% no mesmo período do ano anterior. Trata-se de um fenômeno inverso do ocorrido nos anos anteriores. Com a queda da renda e o aumento do desemprego entre chefes de família, a participação dos demais membros no mercado de trabalho cresce. Essa crescente busca de membros da família por um emprego remunerado pode ser observada pela forte queda do trabalho não remunerado, com um tombo de mais de 10% em dezembro, ante o mesmo período de 2014. 

Muito da queda da população ocupada ao longo de 2015 foi atenuada pelo crescimento do trabalho por conta própria. Isso é explicado por três fatores: 1) Trabalhadores formais demitidos migram para trabalhos por conta própria, como bicos; 2) O crescimento da taxa de participação de pessoas na força de trabalho, que ingressando no mercado de trabalho e sem conseguir um trabalho assalariado, recorrem ao trabalho por conta própria; 3) Mudanças institucionais importantes que facilitaram a regularização do trabalho informal, como o Microempreendedor Individual (MEI), explicando a queda deste último em 2015.

Vínculos empregatícios mais precários, como o trabalho por conta própria, constituem um colchão de amortecimento do emprego em períodos de crise. A tendência é observarmos seu crescimento nos próximos meses, acompanhada pelo cenário de piora das expectativas dos agentes econômicos. 

PESQUISADOR DO MERCADO DE TRABALHO NO CENTRO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA DO IBRE/FGV

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

<<<<<<< HEAD
=======
>>>>>>> 12230bb38f84047334c5a5a201e67c050cc5794c
Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.