Em dia livre de impostos, gasolina fica 40% mais barata

Duzentos e sessenta veículos da capital paulista foram abastecidos hoje com o litro de gasolina 40% mais barato que o preço médio de mercado. A redução, equivalente à porcentagem de impostos cobrados sobre o combustível, fez parte da campanha Dia da Liberdade de Impostos, que ofereceu em postos de combustíveis credenciados - em São Paulo, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Belo Horizonte - a gasolina por R$ 1,462 o litro, enquanto o preço médio é de R$ 2,399. De acordo com um dos organizadores da campanha, o advogado Ricardo Salles, as 260 senhas distribuídas em São Paulo para o abastecimento com gasolina sem Cide, PIS, Cofins e ICMS acabaram em 40 minutos.

GUSTAVO URIBE, Agencia Estado

25 Maio 2009 | 18h48

Na capital paulista, o posto credenciado foi o Centro Automotivo Portal das Perdizes (distribuidora Ipiranga), na Avenida Sumaré. Cada motorista teve direito a uma cota máxima de 25 litros até as 16h, quando a campanha terminou. A diferença no preço do combustível foi financiada pelas entidades organizadoras do protesto. "Ao todo, disponibilizamos 6 mil litros", afirmou Salles.

A campanha foi organizada pelo Instituto Ludwig von Mises Brasil (batizado em homenagem ao economista grande defensor da liberdade econômica) e por ONGs de defesa da cidadania. A escolha do dia 25 de maio foi simbólica. "A data foi escolhida para lembrar o dia exato em que o brasileiro encerra o período do ano em que só trabalha para pagar tributos", explica Salles. Segundo seus cálculos, o brasileiro tem de trabalhar 145 dias (de 1º de janeiro a 25 de maio) apenas para pagar tributos governamentais. "A ideia foi permitir que a população perceba o quanto os gastos governamentais pesam no bolso. A sobrecarga tributária impede o crescimento econômico e quem sofre mais são as pessoas com menor renda."

Sobre o preço da gasolina incidem Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), Programa de Integração Social (PIS) e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), tributos federais que correspondem a 13% do valor final do produto. O consumidor paga ainda ao governo estadual o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), igual a 32% do preço.

Em outros Estados, as filas também se repetiram. Em Belo Horizonte, o primeiro motorista chegou à 1 hora da madrugada ao posto de gasolina credenciado. No Rio Grande do Sul, os dois postos que ofereceram gasolina sem impostos abasteceram cerca de 400 veículos. No Rio de Janeiro, a fila congestionou o trânsito na rua em que o posto credenciado distribuía senhas.

Impostômetro

Também em protesto contra a carga tributária brasileira, a Associação Comercial de São Paulo (ACSP) chamou a atenção hoje para o "impostômetro", placar que indica no centro de São Paulo quanto o cidadão pagou de impostos desde o início do ano. O medidor chegou às 15h16 de hoje à marca de R$ 400 bilhões de impostos federais, estaduais e municipais. No ano passado, o placar passou da marca de R$ 1 trilhão em tributos.

Mais conteúdo sobre:
imposto gasolina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.