Daniel Roland/AFP
Daniel Roland/AFP

Em evento do FMI, Draghi diz que BC Europeu deve ser persistente com política monetária

Presidente do BCE fez avaliação positiva da perspectiva econômica das 19 nações da zona do euro, mas ponderou que a inflação no bloco continua fraca

Dow Jones Newswires

14 Outubro 2017 | 18h07

WASHINGTON - O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, declarou neste sábado, 14, que a instituição precisa ser paciente e persistente diante da fraca inflação da zona do euro. "Vai levar tempo", disse Draghi. "Temos de ser persistentes em nossa política monetária". Draghi falou durante o evento do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial, realizado em Washington, Estados Unidos. 

O presidente do BCE fez avaliação positiva da perspectiva econômica das 19 nações da zona do euro, mas ponderou que a inflação no bloco continua fraca, talvez em virtude do baixo crescimento dos salários. Este cenário, disse Draghi, exige que o banco seja paciente. 

O programa de compra de títulos do BCE, conhecido como flexibilização quantitativa (QE, na sigla em inglês) e que movimenta em torno 60 bilhões de euros por mês, deve expirar em dezembro. Autoridades do banco devem anunciar planos para reduzi-lo no próximo ano, após encontro previsto para o dia 26 deste mês, apesar de Draghi ter sugerido que a decisão poderia ser adiada. 

++ Declaração de Meirelles aponta retomada gradual do crescimento sustentado

Economistas têm tentado explicar por que a inflação permanece baixa em diversas economias desenvolvidas, apesar do baixo nível de desemprego. Uma das razões apontadas por Draghi é o baixo crescimento da produtividade. Outra possibilidade é de as pessoas estarem trabalhando menos horas do que gostariam, mesmo não sendo consideradas desempregadas. Os trabalhadores do bloco também podem estar mais focados em garantir a segurança em seus empregos do que em pressionar por maiores salários.  

Independentemente do motivo, disse Draghi, o BCE acredita que os salários vão subir à medida que o mercado de trabalho se fortalecer. O presidente do BCE disse ainda que mesmo que a economia fraca tenha sido causada por tendências de longo prazo, como globalização e envelhecimento da população, "isso não levará (a instituição) a mudar sua política". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.