1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Em um ano, 2,5 milhões de pessoas entraram na fila do desemprego

- Atualizado: 15 Janeiro 2016 | 12h 38

Número representa uma alta de quase 40% em relação ao trimestre encerrado em outubro de 2014 e é o maior avanço da população desocupada desde o início da série da Pnad Contínua, em 2012

Taxa de desemprego atingiu 9% no trimestre até outubro

Taxa de desemprego atingiu 9% no trimestre até outubro

RIO - A fila de desemprego continua crescendo no País, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No trimestre até outubro de 2015, um total de 2,5 milhões de pessoas passaram a buscar uma vaga, alta de 38,3% em relação a igual período de 2014. O avanço é o maior já verificado na série histórica da pesquisa, iniciada em 2012.

Com esse movimento, o Brasil tinha, no trimestre até outubro do ano passado, 9,1 milhões de desempregados.  Já a taxa de desocupação subiu para 9% no período, também o maior resultado da série e o décimo aumento seguido do indicador - que completa quase um ano de rápida deterioração.

A intensa redução no número de trabalhadores com carteira assinada é um dos fatores por trás da alta na procura por emprego, explicou Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE. No trimestre até outubro de 2015, 1,2 milhão de pessoas perderam o emprego formal em relação a igual período do ano anterior, segundo a Pnad Contínua.

"O emprego com carteira tem FGTS, plano de saúde, uma série de garantias. Há a própria garantia do emprego. Mas os brasileiros têm tido a estabilidade afetada, um rendimento menor. Diante disso, outros membros da família (antes inativos) acabam saindo para buscar emprego", explicou Azeredo. "O maior contingente de desocupados é esperado para janeiro. Esse resultado quebra a sazonalidade da série", completou o coordenador.

A entrada de 2,5 milhões de pessoas na fila da desocupação em um ano mostra que a busca por emprego tem crescido em ritmo cada vez mais intenso. "Enquanto ocorrer redução na carteira assinada, a tendência é isso (procura por vaga) aumentar", afirmou Azeredo.

Uma das saídas encontradas por essas pessoas é trabalhar por conta própria. Em um ano, a modalidade ganhou 913 mil novos adeptos, segundo o IBGE. "Isso não é uma opção. É uma falta de opção. Ele precisa virar conta própria, porque está tendo perda de renda e emprego", disse.

É por isso que a ocupação não tem tido grandes reduções, segundo o coordenador do IBGE. No trimestre até outubro de 2015, houve queda de 0,3% na população ocupada ante igual período do ano anterior (-285 mil vagas), variação considerada estatisticamente estável pelo órgão.

"Não é a população ocupada que está caindo. Essas pessoas estão se inserindo no mercado de trabalho por outros meios", frisou. Como o rendimento da pessoal que vive por conta própria é menor, porém, há a necessidade de que outros membros da família complementem os ganhos.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX