AP Photo/James Brooks
AP Photo/James Brooks

Empresa americana implantará chips nos funcionários

Companhia assegura que privacidade dos trabalhadores não será violada e dados não poderão ser rastreados por GPS

EFE

26 Julho 2017 | 11h26

Uma empresa americana de Wisconsin implantará microchips em alguns funcionários para facilitar tarefas como abrir portas, acessar computadores, fazer cópias de documentos, compartilhar informação, entre outras funções.

Segundo informou o site The Verge, 50 empregados da desenvolvedora de software Three Square Market se ofereceram como voluntários para participar da iniciativa. Sediada no estado de Wisconsin, a empresa usará nos chips a tecnologia de comunicação sem fio e de curto alcance NFC. 

Marcada para começar a operar no dia 1º de agosto, a iniciativa consistirá em implantar componentes do tamanho de um grão de arroz entre o polegar e o dedo indicador do indivíduo. Os microprocessadores custam US$ 300.

De acordo com a empresa, os chips possuem sensores que, ao serem escaneados, permitem que os funcionários acessem informações em computadores e outros dispositivos. Também liberam o pagamento de compras, sem a necessidade de usar cartões de crédito ou smartphones.

A Three Square Market assegura que não colocará em risco a privacidade dos trabalhadores, já que os dados armazenados no chip estarão criptografados e não poderão ser rastreados por GPS, de modo que a sua funcionalidade seria parecida à de uma chave ou cartão de acesso eletrônico.

O diretor-executivo da empresa, Todd Westby, declarou ao canal "CNBC" que a implantação destes microchips é indolor e que seu uso é completamente legal, já que foi aprovado em 2004 pela agência federal de Administração de Medicamentos e Alimentos (FDA, na sigla em inglês).

"Acreditamos que é uma boa forma de avançar na inovação da empresa. Os chips não emitem nenhum sinal sozinhos, precisam ser lidos com qualquer objeto que tenha um leitor de proximidade", explicou Westby./EFE 

+ Entenda a nova relação entre patrão e empregado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.