1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Empresas quebram nos EUA e setor não ajuda no PIB

- Atualizado: 14 Fevereiro 2016 | 03h 00

Mais de 40 negócios de médio porte, dedicados à produção de petróleo e gás, pediram falência desde o início de 2015

A produtora de petróleo e gás norte-americana Swift Energy, com operações nos estados do Texas e Louisiana, cortou 60% de seus investimentos, demitiu 20% de seus funcionários e até reduziu o tamanho de sua sede, em Houston, tudo para lidar com a queda de mais de 70% do preço da commodity desde meados de 2014. Nada disso adiantou. A companhia entrou no mês passado com pedido de falência em um Tribunal dos Estados Unidos e se transformou no mais recente exemplo de como os baixos preços da matéria-prima estão afetando a maior economia do mundo.

Como a Swift Energy, outras 41 empresas de médio porte na área de produção de petróleo e gás entraram com pedido de falência desde o início de 2015, conforme levantamento do escritório de advocacia Haynes & Boone. Essas companhias têm uma dívida de US$ 17,4 bilhões, contraída para financiar a extração de petróleo e, principalmente, para o boom de gás de xisto quando o petróleo estava acima de US$ 100. Além dessas, outras 39 empresas da cadeia, prestadoras de serviços ao segmento, também entraram com pedido de falência no ano passado.

“A empresa teve de tomar medidas em resposta à redução significativa dos preços do petróleo e do gás que tem afetado toda a indústria”, disse o presidente da Swift, Terry E. Swift, fundada em 1979. Com U$$ 1 bilhão em ativos, a companhia viu sua dívida bater em US$ 1,35 bilhão e as receitas caírem 55% no último trimestre de 2015, ante igual período de 2014. Após fazer ajustes e os preços da matéria-prima continuarem caindo, restou entrar com pedido de falência e recuperação judicial.

Os números das falências nos EUA até agora ainda são pequenos quando comparados às centenas de empresas que operam no setor, mas prevalece o pessimismo entre os especialistas, que alertam para mais deterioração da situação financeira das empresas. Para 2016, o quadro esperado para as falências é ainda pior do que foi em 2015.

A IHS, consultoria do setor de energia, estima que mais 150 companhias podem falir em 2016, quase quatro vezes mais do que o apurado em 2015.

Nas gigantes do setor de petróleo dos EUA ainda não houve falências, mas o cenário também não é animador. Corte de investimento, demissões em massa, redução de dividendos e forte piora dos resultados financeiros vêm marcando o setor desde meados de 2014. A maior petroleira dos EUA, a ExxonMobil viu seu lucro cair 58% no quarto trimestre de 2015. No mesmo período, a Chevron, a segunda maior, passou de ganho para prejuízo de US$ 588 milhões no final do ano passado.

‘Lado bom’. Os esperados benefícios que a queda da cotação do petróleo trariam para a economia dos Estados Unidos não ocorreram como o previsto. A expectativa de organismos multilaterais, como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial, e de casas financeiras de Wall Street, como Morgan Stanley, Bank of America e Goldman Sachs, era de que a redução dos preços dos combustíveis nos postos liberaria mais recursos para as famílias norte-americanas gastarem com consumo, o motor do crescimento dos EUA. “A redução dos combustíveis equivale a um corte anual de impostos de US$ 200 bilhões para os americanos”, afirmou o presidente da gestora Cumberland Advisors, David Kotok.

Mas os recursos que as famílias deixaram de gastar com gasolina não foram direcionados, na intensidade esperada, para o mercado de consumo, afirmou o economista-chefe da consultoria Pantheon Macroeconomics, Ian Shepherdson. Os dados mais recentes, de dezembro, mostram que os americanos estão preferindo poupar o aumento da renda ao invés de consumir mais. As vendas de final de ano em várias redes de varejo, como a Macy’s e a Amazon, decepcionaram.

Em janeiro do ano passado, os economistas do JPMorgan previram que a queda do preço do petróleo faria o Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA crescer mais 0,7 ponto em 2015. O banco reviu a projeção e espera agora que a retração do preço reduza em 0,3 ponto porcentual o PIB do país em 2015, por conta dos impactos negativos na cadeia produtiva do setor.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX