1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Encolhimento do crédito ganha velocidade

Janeiro marcou um tombo nas concessões de crédito, em especial para as empresas, segundo o Banco Central. Tão intenso foi o recuo do crédito que também diminuiu o saldo total das operações, acrescido no dia a dia pelos juros contratados no momento das concessões. Os números são indicativos do aprofundamento da recessão econômica, fenômeno já constatado no último trimestre de 2015 e que se acentua em 2016.

Entre dezembro de 2015 e janeiro de 2016, os saldos dos empréstimos totais caíram 0,6%, de R$ 3,218 trilhões para R$ 3,199 trilhões, enquanto as concessões mensais diminuíram 25,2%, de R$ 343,3 bilhões para R$ 256,7 bilhões. Em 12 meses, até janeiro, os saldos nominais ainda cresceram 6,3%, enquanto as concessões cediam 4,3%. A relação crédito/PIB caiu de 54,3% para 53,7%.

As concessões de crédito para pessoas jurídicas caíram 36% no mês, de R$ 173 bilhões para R$ 110 bilhões. Em termos reais, a queda do ritmo de concessões às empresas, de 14% no quarto trimestre de 2015, ficou em 23,3% no mês passado, nos cálculos do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi). As concessões de capital de giro foram as mais atingidas (-39,5%) – e estão entre as que retratam mais fielmente o nível de atividade das empresas.

Há várias razões para o encolhimento do crédito, a começar dos juros médios, que subiram 2 pontos porcentuais para as empresas (de 20,7% ao ano em dezembro para 22,7% ao ano em janeiro) e 1,3 ponto para as pessoas físicas (de 37,9% para 39,2% ao ano).

Ao mesmo tempo, os spreads (diferença entre os custos de captação e de aplicação) avançaram 1,8 ponto e 1,2 ponto.

As pessoas jurídicas reduzem a demanda de empréstimos por falta de negócios (ou seja, não têm duplicatas ou outros créditos a receber) e por não estarem investindo em máquinas, equipamentos e novas instalações para aumentar a produção. As operações de crédito direcionado às empresas foram de R$ 10,1 bilhões, em janeiro, e de R$ 10,3 bilhões para as pessoas físicas – quedas de 65,1% e de 42,6% em relação a dezembro. O custo anual dessas operações aumentou de 10% para 12,3% para as empresas e de 9,7% para 9,9% para as pessoas físicas, mas, mesmo assim, é favorecido em relação ao dos empréstimos livres.

Entre as raras operações cujos saldos aumentaram para empresas e famílias estão as do cheque especial, cujos altos custos podem ser indicador de maior inadimplência futura.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX