Entenda o caso Kroll / Opportunity

Veja aqui os principais pontos do caso que envolve a privatização do Sistema Telebrás, o banco Opportunity e a empresa especializada em investigação empresarial, Kroll Associates: - Em 1998, com a privatização do Sistema Telebrás, o banco Opportunity passa a ser o gestor de um fundo de investimento que administra a participação dos fundos de pensão na Brasil Telecom. - As divergências entre os sócios da operadora de telefonia - fundos de pensão e Italia Telecom de um lado e Opportunity de outro - tornaram-se públicas três anos depois. Nos últimos quatro anos, foram mais de 50 ações judiciais envolvendo todas as partes, na disputa pelo controle da operadora. - O conflito se radicalizou com a contratação da Kroll Associates, empresa especializada em investigação empresarial, pela presidente da BR Telecom, Carla Cico, executiva aliada do banqueiro Daniel Dantas no Opportunity. - Ao longo de todo o ano de 2003 e até meados de 2004, a Kroll monitorou os contatos da Telecom Italia no Brasil, inclusive com integrantes do governo Lula. - Na operação de espionagem, a Kroll captou e-mails trocados entre o ministro da Comunicação, Luiz Gushiken, e o empresário Luiz Roberto Demarco em 2000 e 2001. Ex-sócio de Dantas no Opportunity, Demarco passou a travar com ele uma agressiva batalha judicial. - Proprietário, na época, de uma consultoria que atendia fundos de pensão, Gushiken buscava com Demarco informações sobre Daniel Dantas no setor de previdência privada. - A Kroll também monitorou o encontro entre executivos da Telecom Italia e o presidente do Banco do Brasil, Cassio Casseb, ex-conselheiro da empresa italiana no Brasil. - A devassa da Polícia Federal de hoje foi feita com base num mandado judicial expedido em processo criminal que corre na 5ª Vara Federal de São Paulo em decorrência do caso Kroll.

Agencia Estado,

27 Outubro 2004 | 18h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.