1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

‘Estabilidade no emprego é a fonte dos desequilíbrios’

- Atualizado: 27 Março 2016 | 08h 36

Para economista, que estuda a gestão pública, regras em vigor dão ao funcionalismo um poder político desproporcional

Estudioso da gestão pública, o economista e consultor legislativo Marcos Mendes defende que já passou da hora de cobrar uma nova postura do servidor público. “Há muitos direitos e poucos deveres”, diz.

Qual mudança na gestão do funcionalismo o sr. considera prioritária?

O mais importante é acabar com o desequilíbrio a favor do funcionalismo e contra o contribuinte. O funcionário público tem direito de se associar em sindicato, de fazer greve, mas não há uma lei de greve clara. Ele não pode ser demitido, porque a lei garante estabilidade. Assim, tem o benefício de conseguir salários muito acima dos das iniciativa privada.

Mas os servidores fazem tantas greves assim?

O funcionalismo consegue fazer greve o tempo todo. Prefeitos e governadores são reféns do funcionalismo. Uma greve de professores de 90 dias arrebenta com qualquer prefeito, qualquer governador. E vale olhar que a duração das greves no funcionalismo são maiores. No setor privado, se o cara enrolar muito, é demitido. No público, a categoria fica um tempão parada e, quando volta, ganha até perdão para receber os dias parados até quando a greve é considerada ilegal. A estabilidade é um poder político enorme. Olhe a greve dos bancários. Todos entram, mas rapidamente a turma de Itaú e Bradesco volta ao trabalho. Fica o pessoal da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil. Por quê? Não serão demitidos.

Para Mendes, privilégios são exagerados
Para Mendes, privilégios são exagerados

É preciso, então, criar limites para a estabilidade?

Na lei já tem o artigo 169 da Constituição que permite a demissão de servidores quando a situação fiscal é grave. Mas as regras tornam o negócio inviável. Lá diz que, primeiro, é preciso demitir gente em estado probatório, depois ‘x porcento’ de comissionados e, só aí, o pessoal estável. Assim, primeiro você manda embora um professor novo e comissionados, que geralmente são os que trabalham de verdade, antes de chegar no sujeito improdutivo, de áreas obsoletas, que precisa ser demitido. É preciso uma regra mais flexível. Mas isso não vai acontecer enquanto você não desmobilizar essa força sindical enorme. Se você olhar hoje, a maioria dos filiados da CUT é servidor público e isso se estende para as estatais.

Qual é saída?

Aí tem um tradeoff (uma escolha). A regra precisa mudar. Se tem estabilidade, não pode fazer grave. Se for sindicalizado, deve se submeter a regras gerais. O servidor não pode ter um monte de direitos sem ter deveres básicos aos quais estão subordinados os demais trabalhadores.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX