1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Estudo aponta que ferrovia ligando Brasil e Peru é inviável

- Atualizado: 09 Junho 2015 | 22h 12

Segundo associação de ferrovias, transporte de soja até a China é muito mais barato usando o Porto de Santos

BRASÍLIA - Citada pela presidente Dilma Rousseff na entrevista concedida no último domingo ao Estado e responsável por 20,2% do total de novos investimentos em concessões em infraestrutura anunciado nesta terça-feira, 9, a Ferrovia Bioceânica, ligando o Brasil e o Peru, é economicamente inviável. É o que aponta análise feita pela seção latino-americana da União Internacional de Ferrovias (UIC, na sigla em francês).

O levantamento mostra que o custo do transporte de uma tonelada de soja de Lucas do Rio Verde até Xangai, na China, sai por US$ 120,43 se a mercadoria for embarcada no porto de Santos (SP). Saindo pelo porto de Ilo, no Peru, o frete sai a US$ 166,92. Uma diferença de US$ 46,49 por tonelada.

Ponte que liga o Brasil ao Peru, no Estado do Acre

Ponte que liga o Brasil ao Peru, no Estado do Acre

O cálculo nem leva em conta o custo de construção da ferrovia, que ainda não existe e, dependendo do traçado, pode ter 3.650 km, dos quais mais de 1.000 km atravessam os Andes. Só a parte brasileira custaria R$ 40 bilhões, nas estimativas do governo.

A conta feita pela UIC apenas considera a distância a ser percorrida pela soja e calcula o frete ferroviário de acordo com o preço vigente no País, com o dólar a R$ 3,00. Assim, o transporte da carga por trem sairia por US$ 58,28 se a soja for embarcada em Santos ou US$ 127,75 se ela passar pela Bioceânica.

E o custo do transporte em meio marítimo, saindo pelo Pacífico, nem fica tão mais barato. O levantamento mostra que o frete da tonelada de soja saindo de Santos até Xangai sai a US$ 22,50 por tonelada. Saindo de Ilo, fica a US$ 21,50. Para o agronegócio, é mais interessante viabilizar uma saída ferroviária da soja do Centro-Oeste pelos portos do Pará e do Amazonas do que pelo país vizinho.

Por sua grandiosidade e sustentabilidade econômica duvidosa, a ferrovia Bioceânica está sendo comparada, no setor privado, ao Trem de Alta Velocidade (TAV) entre Campinas e Rio de Janeiro, projeto que foi a menina dos olhos de Dilma no governo de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) e agora encontra-se engavetado. O fato de o projeto da ferrovia transnacional ter ganho relevância por causa do interesse chinês no empreendimento também é motivo de descrédito, dadas as diversas promessas de investimento não cumpridas por investidores daquele país.

Ainda assim, a Bioceânica entrou na nova versão do programa de concessões como “rota estratégica de escoamento da produção, via Pacífico, para os mercados asiáticos”. Um trecho da ferrovia, entre Campinorte e Lucas do Rio Verde (MT), já teve os estudos concluídos e aprovados pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Outro trecho, entre Sapezal (MT) e Porto Velho (RO), está em estudos pelo setor privado.

“Estamos há décadas tentando fazer a Ferrovia do Frango e não conseguimos. Por que faríamos a ferrovia do Peru? Esse assunto não é nada pacífico”, brincou Guilherme Quintella, presidente da seção Latino-americana da UIC. A Ferrovia do Frango a que ele se refere liga o interior de Santa Catarina ao porto de Itajaí, no mesmo Estado.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX