André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Expectativa do mercado para a Selic cai de 9,25% para 9,00%

Mercado também espera uma desaceleração maior da inflação

Fernando Nakagawa, Broadcast

13 Março 2017 | 09h08

BRASÍLIA - O mercado financeiro revisou o cenário para a trajetória do juro e prevê que o ciclo de afrouxamento realizado pelo Comitê de Política Monetária (Copom) será um pouco mais forte. A pesquisa semanal do Banco Central concluída em 10 de março mostra que a mediana das previsões para o patamar do juro básico no fim deste ano caiu de 9,25% para 9,00%. Há um mês, estava em 9,50%. O relatório indicou também que a mediana das projeções dos economistas para a Selic no fim de 2018 caiu de 9,00% para 8,75%, ante 9,00% de um mês atrás.

O Copom anunciou no fim de fevereiro corte de 0,75 ponto da Selic, de 13,00% para 12,25% ao ano, como esperado pelo mercado. No entanto, deixou a porta aberta para a intensificação dos cortes nos próximos encontros, o que dependerá "da estimativa da extensão do ciclo" e da "evolução da atividade econômica, dos demais fatores de risco e das projeções e expectativas de inflação".

No relatório Focus divulgado nesta segunda-feira, 13, a expectativa de Selic média em 2017 caiu ligeiramente, de 10,72% para 10,63%. Há um mês, a mediana da taxa média projetada para o ano era de 10,81%. Para 2018, a Selic média seguiu em 9,00% pela terceira semana consecutiva, ante 9,25% de um mês antes.

No grupo dos analistas consultados que mais acertam as projeções no médio prazo, o chamado Top 5, a previsão para o patamar para a taxa Selic no fim de 2017 seguiu em 9,00%. Para 2018, porém, o Top 5 elevou a expectativa para o juro de 8,75% para 9,00%, ante 9,38% de um mês atrás. 

Cortes. A pesquisa também revela que o mercado passou a apostar que o atual ciclo de queda do juro deverá ser um pouco mais longo ao terminar em dezembro de 2017. Na semana passada, o prazo previsto era outubro. Para os analistas, o ciclo continuará com reduções de 0,75 ponto até julho, o ritmo de corte cai para 0,50 ponto em setembro e o movimento termina com dois cortes finais de 0,25 ponto em outubro e dezembro deste ano.

A abertura dos dados indica que analistas preveem mais três cortes de 0,75 ponto porcentual nas próximas reuniões. Assim, a taxa cairá para 11,50% em abril, 10,75% em junho e 10% em julho. Depois, o BC deve um corte de 0,50 ponto em setembro, o que levaria a Selic para 9,50%. Nas duas reuniões seguintes, a redução da taxa Selic seria amenizada para 0,25 ponto nos encontros de outubro e dezembro. Assim, o juro iria, respectivamente, para 9,25% e 9,00% em cada uma dessas reuniões, prevê o mercado.

Inflação. O levantamento também mostrou que a mediana para o IPCA - o índice oficial de inflação - em 2017 caiu de 4,36% para 4,19%. Há um mês, a previsão estava em 4,47%. Já a projeção para o IPCA de 2018 permaneceu em 4,50%, número repetido pela 33ª semana consecutiva. As projeções de mercado para este ano, portanto, indicam expectativa de que a inflação desacelere ainda mais se afastando do centro da meta de 4,50%.

Entre as instituições que mais se aproximam do resultado efetivo do IPCA no médio prazo, denominadas Top 5, ao contrário, a mediana das projeções para 2017 subiu de 4,05% para 4,21%. Para 2018, a estimativa do grupo avançou de 4,24% para 4,30%. Quatro semanas atrás, as expectativas desses cinco analistas estavam em 4,15% e 4,21%, respectivamente.

A inflação suavizada para os próximos 12 meses também caiu ligeiramente, de 4,56% para 4,54% de uma semana para outra - há um mês, estava em 4,71%.

Entre os índices mensais mais próximos, a estimativa para março de 2017 cedeu de 0,30% para 0,27%. Um mês antes, estava em 0,37%. No caso de abril, a previsão de inflação do Focus foi de 0,45% para 0,44%, ante 0,45% de quatro semanas atrás.

Mais conteúdo sobre:
BRASÍLIA Copom Banco Central Selic IPCA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.