1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Falta de chuva leva a discussão sobre modelo do setor

Brasília - O Estado de S. Paulo

23 Agosto 2014 | 19h 17

Com reservatórios de usinas em baixa, modelo fortemente baseado na geração hídrica passa a ser questionado

 Ao longo dos anos, o que sempre se ouviu, de forma elogiosa, é que o Brasil tem uma das matrizes energéticas mais renováveis do mundo, por conta do uso disseminado das hidrelétricas. A crise provocada nos últimos anos pela escassez de chuva, porém, colocou esse modelo no centro da discussão, e a verdade é que o caminho para se chegar a uma alternativa não está muito perto do consenso.

Na campanha eleitoral, o tema energia não tem sido, até o momento, aprofundado pelos presidenciáveis. A candidata do PSB à Presidência e ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, em entrevista na semana passada, reconheceu que é difícil substituir neste momento as térmicas e que, caso eleita, vai “recorrer às fontes que já existem para fazer a complementação” representada pela baixa na produção das hidrelétricas.

Marina considerou que o uso de térmicaspara compensar a baixa dos reservatórios em períodos de seca, como atualmente, deve ser feito apenas em “eventualidades extremas”, e não como componente fixo da matriz energética, como é feito há cerca de um ano. “Infelizmente, estamos sujando a matriz energética brasileira”, disse.

O programa para a área de energia da presidente Dilma Rousseff, coordenado pelo presidente da EPE, Maurício Tolmasquim, está em fase final de elaboração e ainda não foi divulgado.

Rene Moreira/Estadão
Lago de Furnas, no Sul de Minas Gerais, atingiu mínimas históricas

Coordenador de mudanças climáticas e energia da organização não governamental WWF-Brasil, o biólogo André Nahur diz que as mudanças climáticas têm alterado a vazão de rios e o regime de chuvas, com impacto negativo na geração das hidrelétricas.Ele ressalta que o painel intergovernamental de mudanças climáticas da Organização das Nações Unidas (ONU) relatou que diversas perdas econômicas vão ser geradas por problemas de disponibilidade de água e de perdas na geração de energia decorrentes dos efeitos dessas mudança no clima. 

“Diante das mudanças que o Brasil vem enfrentando no regime hídrico, várias usinas vêm caindo a geração”, diz. Segundo ele, um dos problemas do planejamento energético brasileiro é que é baseado na hidreletricidade, tornado o País refém desse fonte de energia.Qualquer impacto que se tem na geração, não há alternativa, avalia. 

Nahur diz que foi o aconteceu este ano com a falta de chuvas, que levou ao acionamento das térmicas. Ele contabiliza um custo de R$ 12 bilhões com o acionamento das térmicas nos últimos anos. “Uma hora esse custo vai se repassado para o consumidor, diz.