1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Farmacêutica Biolab e Marisol avaliam ir para os EUA

- Atualizado: 21 Fevereiro 2016 | 21h 05

Desde 2014, cresceu a procura por informações para sair do Brasil por empresas de pequeno e médio portes

Empresas brasileiras de pequeno e médio portes estão avaliando ir para os Estados Unidos. A demanda já estava aquecida nos últimos anos, mas começou a crescer, a partir de 2014. A indústria Marisol e a farmacêutica Biolab, uma das mais inovadoras do País, estão entre as que estudam entrar no mercado americano, apurou o Estado.

“Já havia uma grande procura, mas as incertezas com os rumos da economia, após a última eleição presidencial, aceleraram o processo de decisão de alguns empresários”, diz Pedro Drummond, advogado e sócio da empresa Drummond, com sede em Boston (EUA) e escritórios no Brasil. A empresa presta consultoria para empresários que pretendem investir no território americano e tem o apoio da Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham).

Em 2015, a Drummond prestou consultoria para 120 empresas que investiram nos EUA. Em 2014, havia assessorado 85 companhias. “Temos três perfis de investidores. O primeiro é formado por empresas que planejam a internacionalização para reduzir a dependência do mercado brasileiro. O segundo grupo é formado por empresas de tecnologia, que buscam acesso a financiamentos mais baratos fora, uma vez que o Brasil está com crédito restrito. O terceiro é formado por investidores pessoa física”, afirma. O laboratório farmacêutico Biolab, controlado pela família Castro Marques, é uma das empresas que procuraram a Drummond para colocar os pés nos EUA. 

Cleiton de Castro Marques, presidente e um dos sócios do laboratório brasileiro, afirmou que já abriu um escritório em Miami para prospecção de negócios. Segundo ele, o objetivo é adequar os dossiês de medicamentos com os órgãos reguladores americanos, o que poderá expandir o campo de atuação do grupo brasileiro. A Biolab ainda está investindo em um centro de pesquisa e desenvolvimento (P&D) em Toronto, no Canadá.

Expansão. A rede de lojas Marisol também analisa ir para os Estados Unidos para se internacionalizar. Esse projeto, contudo, está em fase inicial, segundo informações da empresa. A companhia está sendo assessorada pela WTC Business Club, que dá apoio a empresas que pretende disputar o mercado externo. “Não estamos restritos aos Estados Unidos”, disse o presidente da WTC Business Club, Bruno Bomeny. 

Segundo ele, há pelo menos 100 empresas que estão sob sua consultoria. “A WTC Business atua no Brasil desde 1995 e tem filiais em Belo Horizonte, Curitiba, Joinville e Florianópolis. Temos mais de 100 associados e promovemos cerca de 150 eventos por ano.”

Na quinta-feira, a unidade do WTC Business Club do Brasil em Fort Lauderdale (Flórida) vai realizar uma reunião com cerca de 80 executivos dos EUA e da América Latina para discutir oportunidades de negócios no Estado da Flórida. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX