1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Fazenda diz que economia pode voltar a crescer no 4º trimestre

- Atualizado: 03 Março 2016 | 22h 48

Equipe econômica garante que conseguirá normalizar o quadro até setembro para retomar crescimento

BRASÍLIA - A coincidência da notícia da delação premiada do senador Delcídio Amaral com a divulgação da queda de 3,8% do Produto Interno Bruto (PIB) abalou o governo e aumentou a percepção de que será mais difícil conseguir melhorar a confiança na economia brasileira. Mas a equipe econômica segue com a avaliação de que conseguirá normalizar o quadro econômico a partir de terceiro trimestre e crescer a partir do último.

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, chegou bem cedo ao Ministério para preparar, com a equipe, o teor da nota com comentários sobre o resultado do PIB. Sob o impacto das notícias sobre a delação do senador, a nota, no entanto, só foi divulgada no meio da tarde desta quinta-feira, 3.

Ministro Nelson Barbosa chegou cedo à Fazenda para preparar nota sobre o PIB de 2015

Ministro Nelson Barbosa chegou cedo à Fazenda para preparar nota sobre o PIB de 2015

A orientação do ministro foi mostrar que, apesar da crise política, a equipe segue trabalhando para elaborar os projetos de reformas, com os quais o governo espera melhorar as expectativas. “O fator político é incontrolável. E não tem outra alternativa além de mostrar trabalho”, disse um interlocutor da Fazenda, reconhecendo, no entanto, que o agravamento da crise política atrapalha a agenda econômica.

A nota do ministério atribui a retração a vários fatores, como a queda dos preços das commodities, crise hídrica no início do ano, desinvestimentos da cadeia de petróleo, gás e construção civil, realinhamento de preços relativos na economia e ajuste macroeconômico “necessário”.

“Vários desses fatores não devem se repetir na mesma intensidade em 2016, de forma que, após ter absorvido plenamente seus efeitos, a economia poderá se estabilizar no terceiro trimestre e apresentar crescimento positivo a partir do quarto trimestre deste ano”, afirma.

Como era o Brasil em 1990
Protásio Nene/Agência Estado
1990

A queda de 3,8% do PIB brasileiro em 2015 foi a pior em 25 anos. A última vez em que o País teve uma retração tão acentuada foi em 1990, quando a economia brasileira regrediu 4,3%. Relembre como era o País naquele ano.

A Fazenda ressalta que alguns dos choques, como o realinhamento de preços relativos, têm resultados positivos para a economia ao longo do ano e contribuem para o reequilíbrio do setor externo. “O ano de 2015 foi o primeiro desde 2006 em que o setor externo contribuiu de forma positiva para o crescimento”, completa a nota.

Para o ministério, o grande desafio é recuperar a demanda interna, o que estaria sendo buscado com a atuação do governo em várias frentes. “O governo tem adotado todas as ações necessárias para recuperar a economia. No momento em que as medidas produzirem efeitos, será possível retomar o crescimento econômico, com geração de renda e emprego em bases mais sustentáveis”. A nota reitera que, até o fim do mês, o governo encaminhará ao Congresso proposta de reforma fiscal de longo prazo, com limites para a expansão das despesas, e, até abril, a proposta de reforma da Previdência.

Também em nota, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, avaliou que as Contas Nacionais confirmaram “expressiva contração da atividade econômica”, reflexo, entre outros fatores, das incertezas prevalecentes nas economias doméstica e internacional. Os cenários internos e externos foram o principal argumento para o BC manter esta semana a taxa básica de juros em 14,25% ao ano pela quinta vez consecutiva.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX