Pilar Olivares/Reuters
Pilar Olivares/Reuters

Fazenda tem a melhor avaliação desde 2015

Levantamento do ‘Termômetro Broadcast’ com 59 instituições do mercado financeiro indica que a média subiu de 6,5 para 7,2 setembro

O Estado de S.Paulo

05 Outubro 2017 | 00h33

A avaliação do mercado financeiro sobre o desempenho da gestão do Ministério da Fazenda teve melhora expressiva em setembro, mês marcado por algumas conquistas do governo na área fiscal, como a aprovação da criação da Taxa de Longo Prazo (TLP), os leilões das usinas da Cemig e a 14.ª Rodada de Licitações de blocos para exploração de petróleo e gás natural.

A média para a administração em geral saltou de 6,5 para 7,2 entre agosto e setembro, atingindo o maior patamar desde janeiro de 2015, mês que representa o recorde na série, de 7,4. Portanto, a média obtida no mês passado é a segunda melhor do histórico. Participaram da pesquisa 59 instituições, que responderam o questionário entre os dias 22 e 29.

++Governo segue TCU e diz que vai reavaliar projeção de arrecadação com Refis

++Pelo 2º ano seguido, País fecha mais empresas do que abre

As notas do Banco Central mantiveram a tendência positiva dos últimos meses. Embora a média geral tenha ficado em 7,6, as notas para a Política Monetária (7,7) e para a Comunicação (7,9) avançaram para o melhor nível desde julho de 2016, quando ficaram em 8,0 e 8,4, respectivamente. Em agosto, essas notas estavam ambas em 7,5. Já a média da Política Cambial caiu de 7,5 para 7,3.

++Lucro de estatais federais cresce 19% no 1º semestre

Em relação ao desempenho da Fazenda, a nota para a Política Fiscal subiu de 6,3 para 6,7 e a da Comunicação, de 6,4 para 7,1, a mais alta também desde janeiro de 2015 (7,7). 

++Relator do Refis no Senado afirma que vai retirar benefícios a igrejas

Além de conseguir avançar na pauta fiscal, com a arrecadação em leilões de concessões, a equipe econômica comemorou a melhora de indicadores de atividade e de inflação. A começar pelo PIB do segundo trimestre, que subiu 0,2% ante o primeiro e ficou acima da mediana (zero) das estimativas. 

Com relação à inflação, os preços continuaram desinflando, com o IPCA de agosto marcando 0,19%, menor nível para o mês desde 2010 (0,04%), e o acumulado em 12 meses recuando a 2,46%, mais baixo desde fevereiro de 1999 (2,24%). 

O Termômetro Broadcast é um levantamento mensal do AE Dados com bancos, corretoras, consultorias, gestoras de recursos, instituições de ensino, departamentos econômicos de empresas e outros que façam projeções periódicas de indicadores econômicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.