Febraban diz que juros bancários reagiram à queda da Selic

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) enviou comunicado nesta quarta-feira informando, ao contrário do que foi divulgado pelo Procon, que as taxas de juros do crédito pessoal, destinado às pessoas físicas, caiu mais que a taxa básica de juros (Selic) entre agosto de 2004 e fevereiro de 2005. "Ao contrário do que tem sido divulgado, sem o adequado fundamento estatístico, as taxas de juros médias do crédito pessoal, ponderadas pelos volumes de empréstimos concedidos pelo sistema bancário, caíram, sim, mais do que a taxa básica de juros (Selic)", diz a nota. Taxas Na terça-feira, 11, a Fundação Procon-SP divulgou levantamento informando que as taxas médias de juros praticadas pelos bancos ficaram praticamente estáveis na capital paulista em abril. No entanto, segundo os dados da Febraban, desde agosto de 2004, quando o BC iniciou o ciclo de aperto monetário, a Selic passou de 1,24% ao mês, para 1,33%, em fevereiro - uma alta de 0,07 ponto porcentual. Já a taxa média do crédito pessoal, de acordo com a entidade, saiu de 4,71% em agosto de 2004, para 4,45% em fevereiro do ano seguinte, evidenciando uma queda de 0,26%. A Febraban ainda esclarece que "o ritmo das reduções de taxas pode ter sido influenciado pelo inegável aumento da inadimplência, o que leva as instituições a serem mais conservadoras, como determinam as boas práticas da intermediação financeira".

Agencia Estado,

12 Abril 2006 | 19h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.