1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Ferrovias podem ter traçados reduzidos

- Atualizado: 14 Fevereiro 2016 | 08h 17

Vias serão oferecidas em modelo de outorga; vence a licitação quem construir novos trechos e pagar o valor mais alto

Em mais uma tentativa de viabilizar as concessões de ferrovias, o governo admite a possibilidade de alterar os trechos que foram apresentados à iniciativa privada, na expectativa de convencer os investidores de que o negócio é viável. As alterações avaliadas dizem respeito aos dois trechos da Ferrovia Norte-Sul construídos pela estatal Valec, os quais somam cerca de 1,5 mil km de trilhos.

Quando o governo anunciou o pacote de concessões no ano passado, condicionou a oferta do trecho concluído de 855 km da Ferrovia Norte-Sul, entre Anápolis (GO) e Açailândia (MA), à construção de mais 500 km de malha, para chegar ao porto de Barcarena (PA). Agora, no entanto, é avaliada a possibilidade de trocar esse novo trecho por uma extensão até Marabá (PA), um trajeto mais curto, num raio de 300 km. De lá, o porto marítimo seria alcançado por hidrovia.

Mudança. Trecho da Norte-Sul, que pode ter rota alterada
Mudança. Trecho da Norte-Sul, que pode ter rota alterada

Mudanças também passaram a ser consideradas na proposta de concessão do trecho sul da Norte-Sul, traçado de 700 km que liga Anápolis a Estrela D’Oeste (SP) e que a Valec promete entregar até dezembro deste ano. No plano original, a empresa vencedora dessa concessão teria de construir um ramal extra de aproximadamente 200 km, para chegar em Três Lagoas (MS). Já se admite, porém, a possibilidade de reduzir esse novo ramal para cerca de 100 km, alterando a rota para Aparecida do Taboado (MS).

As ferrovias deverão ser oferecidas em modelo de outorga, ou seja, vence a licitação quem se dispor a construir os novos trechos e, paralelamente, pagar o valor mais alto para explorar a ferrovia pelo prazo de 35 anos. Como os traçados poderão mudar, o governo ainda não tem uma ideia clara sobre qual seria o valor mínimo de cada outorga, nem mesmo se haverá essa cobrança, além da construção de novos trechos. A expectativa é de que o trecho norte da Norte-Sul entre em audiência pública em abril.

 

Ferrogrão. Apesar de a Norte-Sul já contar com uma malha de 855 km pronta e outra de 700 km em fase de conclusão, a principal aposta de concessão do governo para este ano no transporte ferroviário é a Ferrogrão, projeto que seria feito do zero, abrindo uma malha de 1.140 km entre Lucas do Rio Verde (MT) e Itaituba (PA), destinada a escoar a produção do centro do País pelos portos do Norte.

A Ferrogrão, originalmente, não é ideia do governo e sim um projeto de quatro grandes produtoras, exportadoras e transportadoras de grãos: Bunge, Cargill, Maggi e Dreyfus. Elas apresentaram a proposta em 2014 e afirmaram que construiriam a ferrovia. O quadro econômico adverso não mudou a disposição delas, que são candidatas únicas a essa concessão.

A Ferrogrão seria construída ao lado da BR-163, estrada que também foi incluída no pacote das privatizações federais. Para que um projeto não canibalize o outro, o governo retirou a obrigação de duplicação da rodovia e reduziu seu prazo de concessão para 12 anos.

Desde que o governo anunciou seu primeiro pacote de concessões de ferrovias, em agosto de 2012, não conseguiu viabilizar leilão de nenhum trecho ferroviário. /A.B e L.A.O.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX