Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

FGTS serviu para diminuir o endividamento das famílias e teve efeito no consumo, diz IBGE

O consumo das famílias cresceu 1,2% no terceiro trimestre ante o segundo, conforme os dados do Produto Interno Bruto (PIB)

Daniela Amorim, Denise Luna e Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

01 Dezembro 2017 | 11h46

RIO - A liberação das contas inativas do FGTS ocorreram no segundo trimestre, mas continuaram impulsionando o consumo das famílias, que cresceu 1,2% no terceiro trimestre ante o segundo, conforme os dados do Produto Interno Bruto (PIB), divulgados mais cedo pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, afirmou que a medida do governo Michel Temer teve um efeito cumulativo. "O FGTS também serviu muito para fazer diminuição do endividamento das famílias. Isso tem efeito para frente", disse Rebeca.

Além disso, conforme a pesquisadora, contribuíram para a alta no consumo a inflação menor, os juros mais baixos, mais crédito e melhora do mercado de trabalho. 

++PIB avança 0,1% no terceiro trimestre

Resultado. O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 0,1% no terceiro trimestre em relação ao segundo trimestre deste ano, informou nesta sexta-feira, 1º, o IBGE. O resultado ficou abaixo da estimativa do mercado, que previa alta de 0,2% no período.

Na comparação com o terceiro trimestre de 2016, o PIB avançou 1,4% no terceiro trimestre deste ano. O resultado ficou dentro do intervalo das estimavas dos analistas, que previam uma expansão de 0,70% a 1,85%, mas abaixo da mediana positiva de 1,25% que era esperada pelo mercado.

"O resultado do terceiro trimestre confirma uma recuperação lenta da economia. As projeções para o trimestre foram muito atrapalhadas pela alta das importações no período, que não eram esperadas nessa proporção", explicou ao Estadão o economista chefe da Nova Futura Corretora, Pedro Paulo Silveira.

++No acumulado do ano, PIB só está positivo por causa da agropecuária, diz IBGE

De acordo com o IBGE, as importações contabilizadas no PIB tiveram alta de 6,6% no terceiro trimestre em relação ao segundo trimestre deste ano. Já na comparação com o terceiro trimestre de 2016, as importações subiram 5,7%.

"Uma parte do crescimento da economia no trimestre foi (anulado) de forma inequívoca pela alta das importações. Porque o resultado do consumo das famílias e do investimento veio positivo", acrescentou Silveira. Para o quarto trimestre, o economista acredita que as importações continuem em alta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.