1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Fiat Chrysler cai mais de 30% em Milão após separar ações da Ferrari

- Atualizado: 04 Janeiro 2016 | 12h 20

No domingo a Fiat distribuiu sua fatia de 80% na Ferrari para os acionistas, dando fim a 30 anos de controle exclusivo sobre a marca

A Fiat Chrysler Automobiles abriu a primeira sessão de 2016 na Bolsa de Milão com forte queda, provocada pela separação das ações da fabricante de carros esportivos de luxo Ferrari. Às 9h40 (de Brasília), a Fiat Chrysler caía 34,87%, enquanto as da Ferrari subiam 0,23%.

No domingo a Fiat distribuiu sua fatia de 80% na Ferrari para os acionistas, dando fim a 30 anos de controle exclusivo sobre a marca de carros avaliados em cerca de 250 mil euros (US$ 273 mil). A separação entre as duas empresas, anunciada há mais de um ano, ocorre após a Fiat Chrysler vender uma fatia de 10% na Ferrari em outubro na Bolsa de Nova York.

A família italiana Agnelli, que fundou a Fiat mais de um século atrás, agora é o principal acionista da Ferrari, com uma participação de 24%. Piero Ferrari, filho do fundador da marca, controla 10%.

Ferrari 'turbina' bolsa de valores de Milão
Giuseppe Cacace/AFP
Ferrari 'turbina' bolsa de valores de Milão

A Ferrari fez a sua estreia na Bolsa de Valores de Milão nesta segunda-feira e, para comemorar, a montadora italiana enfeitou o 'Palazzo della Borsa' com suas cores e dez carros icônicos.

Por meio de um sistema de ações leais que dá direitos de voto extra para investidores de longo prazo, as famílias Agnelli e Ferrari possuem juntas pouco menos de 49% dos direitos de voto da Ferrari e têm um pacto que protege a empresa de potenciais ofertas hostis.

Na separação das ações, os acionistas da Fiat Chrysler receberam uma ação ordinária da Ferrari para cada dez da Fiat Chrysler que tinham.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX