Fila de nove meses para caminhões

A Volvo, fabricante de caminhões de grande porte em Curitiba (PR), vai aumentar os investimentos no País para reduzir gargalos na produção que obrigam a empresa a manter filas de espera de até nove meses para alguns produtos. Este ano, o grupo encerra um programa de investimentos de US$ 110 milhões previsto para o período de 2006 a 2008. No segundo semestre, a Volvo vai anunciar o investimento para o triênio seguinte e o valor "deve ser maior que o atual", diz o presidente Tommy Svensson, sem revelar números. Se o mercado de automóveis tem fila de espera de mais de 100 dias para alguns modelos, para os compradores de caminhões a situação é ainda mais grave. A demora, que era de seis meses no ano passado, aumentou e não há solução no curto prazo. Investimentos em ampliação anunciados por várias montadoras levam vários meses para se efetivarem. Os segmentos em que a demanda é maior são os de transporte de grãos, minérios e produtos para a construção civil. Fabricantes de caminhões, contudo, descartam um desabastecimento de veículos, que poderia prejudicar o transporte da safra recorde prevista para este ano, ou de outros produtos. "Dependendo da região, a entrega leva de 90 a 120 dias, principalmente para o transporte agrícola nas regiões Sul e Centro Oeste?, diz o gerente executivo de vendas da Scania, Roberto Leoncini. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

22 Fevereiro 2008 | 09h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.