Financiamento à exportação cresce 50% no 2º trimestre

BB, que tem a liderança no segmento, liberou mais de US$ 3 bi para linhas de crédito nos três meses encerrados em junho

Murilo Rodrigues Alves, O Estado de S.Paulo

15 Setembro 2015 | 02h01

BRASÍLIA - A liberação de crédito do Banco do Brasil (BB) para exportações superou a marca de US$ 3 bilhões nas linhas de Adiantamento sobre Contratos de Câmbio (ACC) e sobre Cambiais Entregues (ACE) no trimestre encerrado em junho, resultado quase 50% maior do que nos três primeiros meses do ano.

O banco, que tem a liderança no segmento, atingiu US$ 1,6 bilhão entre o dia 1.º de julho até a primeira semana de setembro. O BB encerrou o mês de agosto com uma participação de 27,8% no total de desembolsos dessas linhas, alta de 6% de participação em relação à média durante o primeiro semestre deste ano. Houve incremento de 5% no número de clientes tomadores de crédito à exportação no BB.

O ACC é uma linha de crédito de capital de giro para exportações, em que o banco antecipa o valor de um bem que será exportado no futuro. O ACE é o crédito do valor de uma mercadoria que já foi embarcada para o exterior, mas o cliente estrangeiro vai pagar a empresa a prazo.

Hoje, 95% dos documentos de câmbio e comércio exterior são processados digitalmente pelo banco. Desse total, 80% são digitalizados pelos próprios clientes, que enviam os documentos pelo canal de autoatendimento do banco na internet. Cerca de 65% dos contratos de operações de exportação e mais de 50% dos de importação são fechados na internet.

Para o vice-presidente de Negócios de Atacado do BB, Antônio Maurício Maurano, a automação é uma das estratégias que explicam o aumento no financiamento às exportações, já que oferecem conveniência, agilidade e segurança. "Inicialmente, atuamos no setor de agronegócios e, depois, com indústrias, na identificação de públicos-alvo do próprio BB ou na concorrência", afirma.

Outra ferramenta que possibilitou incremento nos negócios foi o treinamento de câmbio e comércio exterior a empresários, técnicos e estudantes. No ano passado, 10 mil pessoas foram capacitadas. Nos primeiros seis meses deste ano, 2,7 mil tiveram consultoria sobre temas como crédito à exportação e garantias. Para setembro, estão agendados 40 seminários em 15 Estados, com expectativa de alcançar 1,5 mil pessoas.

Além dos treinamentos, o BB elevou os limites de crédito para empresas exportadoras. A adequação de limites pode alavancar até R$ 6 bilhões, segundo o vice-presidente de Controles Internos e Gestão de Riscos do BB, Walter Malieni.

Mais conteúdo sobre:
Comércio exterior exportações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.