1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine

Fipe: uso do etanol deixou de ser vantajoso em SP

MARIA REGINA SILVA - Agencia Estado

11 Fevereiro 2014 | 16h 25

Abastecer o carro com etanol na cidade de São Paulo deixou de ser vantajoso no começo deste mês. Conforme dados da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), a relação entre o preço do álcool combustível e o da gasolina subiu para o nível de 71,42% na primeira semana de fevereiro. Segundo a Fipe, trata-se da maior marca dos últimos quatro anos para o período.

O número vem na contramão do verificado ao longo de janeiro, quando a equivalência entre os preços atingiram níveis históricos de baixa desde 2009. Na quarta semana do mês passado, a relação estava em 68,10%. Naquela ocasião, o movimento ainda captava os efeitos dos reajustes dos combustíveis promovidos no final de 2013. "É curioso que janeiro foi muito bom na comparação com o mesmo mês de anos anteriores", disse.

Para especialistas, o uso do etanol deixa de ser vantajoso em relação à gasolina quando o preço do derivado da cana-de-açúcar representa mais de 70% do valor da gasolina. A vantagem é calculada considerando que o poder calorífico do motor a etanol é de 70% do poder dos motores a gasolina. Entre 70% e 70,50%, é considerada indiferente a utilização de gasolina ou etanol no tanque.

De acordo com o coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), o economista Rafael Costa Lima, o fato de os preços do etanol não estarem competitivos na capital paulista pode refletir a sazonalidade desfavorável do período, por causa da entressafra da cana-de-açúcar. Normalmente, a relação entre o valor do álcool combustível e o da gasolina tende a ficar desfavorável em meados de dezembro e janeiro.

Na Fipe, no âmbito do IPC, que mede a inflação na cidade de São Paulo, os preços do etanol subiram 0,36% na primeira quadrissemana de fevereiro (últimos 30 dias terminados na sexta-feira), enquanto a gasolina teve alta de apenas 0,02%. "Provavelmente, o aumento (do etanol) está vindo com mais força em fevereiro e deve continuar, pois na ponta (pesquisas mais recentes), está avançando na faixa de 1%", afirmou.

Segundo Costa Lima, com a perspectiva de novas elevações do combustível derivado da cana, o grupo Transportes deve seguir pressionando o IPC ao longo do mês. Na primeira leitura de fevereiro, o grupo teve variação de 0,76%, após 0,60% no final de janeiro. "É possível que volte a acelerar por causa do etanol", disse. O IPC-Fipe, por sua vez, teve inflação de 0,86% na primeira leitura de fevereiro, depois de alta de 0,94% no fechamento do mês passado.