Antônio Cruz|Agência Brasil
Antônio Cruz|Agência Brasil

Flexibilizações na Reforma da Previdência reduzirão economia em R$ 115,26 bilhões

Segundo a Casa Civil, com medidas anunciadas nesta quinta, economia prevista deve recuar 17% em 10 anos

Adriana Fernandes e Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

06 Abril 2017 | 17h12

Correções: 06/04/2017 | 19h15

BRASÍLIA - As flexibilizações na reforma da Previdência anunciadas nesta quinta-feira reduzem a economia prevista com a proposta em média em 17% em dez anos, segundo a Casa Civil. Para o governo, essa perda não é tão significativa porque representa em média 1% ao ano. Em dezembro, o secretário de Previdência, Marcelo Caetano, disse que a economia prevista entre 2018 e 2027 seria de R$ 678 bilhões com benefícios assistenciais e do INSS – ou seja, 17% desse valor representaria um impacto menor em R$ 115,26 bilhões.

Considerando a economia esperada com as mudanças no regime próprio de servidores da União (R$ 60 bilhões em dez anos), o governo pouparia ao todo R$ 738 bilhões. Neste caso, a perda de 10% representaria R$ 73,8 bilhões. Entre as flexibilizações, o governo sinalizou que vai manter regimes especiais de aposentadoria para policiais e professores, que fazem parte do regime próprio.

Um dos formuladores da proposta garante que as alterações sugeridas pelo Congresso "preservam a essência" da reforma, cujo objetivo é estabilizar a despesa em até 9% do Produto Interno Bruto (PIB), sobretudo nos próximos dez anos. Hoje, os benefícios assistenciais e do INSS consomem 54% da despesa primária da União, e esse porcentual chegará a 82% em 2026 sem a reforma da Previdência. Já com a proposta do governo, esse índice era projetado em 66%.

Veja o Placar da Previdência do 'Estado'

"(A alteração no texto) Não muda muito o objetivo de estabilizar a despesa", garante o integrante da equipe que trabalha na proposta. Outra fonte do governo garante que, mesmo com as "bondades", as mudanças não trazem prejuízos à reforma.

O relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), afirmou mais cedo que o presidente Michel Temer autorizou modificações na proposta em relação a cinco temas: regra de transição, aposentadoria rural, Benefício de Prestação Continuada (BPC), pensões e aposentadorias especiais de professores e policiais.

O governo ainda não deu detalhes sobre o conteúdo das modificações. A ideia é trabalhar no texto até a semana que vem para fechar as novas regras – o relatório deve ser apresentado no dia 18 de abril. Mesmo com o atraso no cronograma (a ideia era que o parecer fosse lido no fim de março na comissão especial), o governo continua apostando na aprovação da reforma no primeiro semestre, tanto na Câmara dos Deputados quanto no Senado Federal.

Ontem, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse em entrevista ao Broadcast que a regra de transição (um dos pontos que será flexibilizado) não poderá se estender por mais que 20 anos. "Tem uma regra de transição. Poderão surgir outras propostas, mas o que é inegociável é que temos que ter uma transição para no máximo 20 anos. Há ideias com mais de 20 anos. A reforma vai entrar em vigor em 2038. É longa a transição", afirmou.

Correções
06/04/2017 | 19h15

O texto foi corrigido às 19h15, após retificação da Casa Civil do número divulgado na tarde desta quinta-feira. Inicialmente, o órgão havia informado que o impacto seria em média de 10% entre 2018 e 2027, o que daria R$ 67,8 bilhões. Com a correção, a economia esperada após a aprovação da reforma será reduzida em R$ 115,26 bilhões nos próximos 10 anos – 17% da economia de R$ 678 bilhões que o governo havia previsto com a proposta enviada ao Congresso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.