Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia & Negócios

Economia » FMI aponta novas ameaças à estabilidade

Economia & Negócios

EFE/Michael Reynolds

Economia

FMI

FMI aponta novas ameaças à estabilidade

De acordo com relatório do Fundo, populismo e políticas mal conduzidas surgem como riscos quando o mundo parece recuperar-se

0

Rolf Kuntz, enviado especial ,
O Estado de S.Paulo

20 Abril 2017 | 05h00

WASHINGTON - Barreiras comerciais, juros altos e afrouxamento da regulação bancária, riscos associados às promessas do presidente Donald Trump, podem ser as novas ameaças ao equilíbrio financeiro, adverte o Fundo Monetário Internacional (FMI). Os emergentes, incluído o Brasil, estarão entre os mais prejudicados, se esses riscos se materializarem.

Nove anos depois do início da última grande crise, a maior desde a depressão dos anos 1930, a economia mundial parece recuperar-se com firmeza. A segurança dos bancos aumentou, com a imposição de regras mais severas, embora ainda soem sinais de alarme em alguns mercados. O cenário melhorou muito, após um longo e trabalhoso ajuste, mas o otimismo dos mercados poderá sumir, se prevalecer a pior combinação de políticas. O aviso está no Relatório de Estabilidade Financeira Global, apresentado ontem pelo diretor do Departamento Monetário e de Mercado de Capitais do FMI, Tobias Adrian.

Os perigos do protecionismo e da menor cooperação internacional vêm sendo apontados em várias manifestações de dirigentes do FMI. Não se pensa em nenhum país em particular, disse Adrian. Em muitos países, acrescentou, uma virada populista questiona os benefícios do livre-comércio e dos vínculos globais. “No FMI, é claro, nós acreditamos no comércio como crucialmente importante para o crescimento global.” Vários países têm sido atingidos pela onda populista e nacionalista, mas a exposição referiu-se principalmente às mudanças em discussão nos EUA.

Se as melhores escolhas forem feitas, o investimento será estimulado, a atividade ganhará impulso e a segurança financeira será reforçada. Boas políticas deverão incluir juros ainda baixos, estímulos fiscais ao crescimento, redução da carga tributária sobre empresas e medidas para corrigir o excesso de endividamento na China e a vulnerabilidade de bancos europeus. Parte desses bancos ainda está muito exposta a devedores duvidosos. Nos Estados Unidos, os mercados têm apostado em estímulos fiscais, investimentos em infraestrutura e alívio dos impostos. Mas essas políticas, se mal conduzidas ou mal combinadas, podem gerar desafios enormes.

Um forte aumento de juros pode ser necessário para corrigir os excessos de uma política de estímulos mal calibrada. Isso pressionaria empresas com ganhos já insuficientes, ou mesmo pouco mais que suficientes, para a cobertura das obrigações financeiras. As novas pressões poderiam, num dos cenários apresentados no relatório, comprometer empresas com ativos combinados de cerca de US$ 4 trilhões. Esse conjunto corresponde a quase um quarto do universo empresarial considerado na análise.

Juros muito altos e medidas protecionistas poderiam prejudicar de modo especial economias emergentes. Um forte aperto financeiro poderia adicionar US$ 130 bilhões ao endividamento das companhias mais vulneráveis. A dívida desse grupo é estimada em US$ 590 bilhões. Um aumento das barreiras comercias poderia acrescentar até US$ 235 bilhões à divida já existente. No Brasil, a dívida empresarial com cobertura insuficiente corresponde, de acordo com a estimativa do FMI, a cerca de 10% do estoque.

Essa parcela cresceria cerca de três pontos porcentuais, no caso de maior protecionismo, e quase seis pontos, na hipótese do aumento de crédito. Num grupo de nove emergentes selecionados, as companhias mais afetadas num surto protecionista seriam as chinesas, com aumento de cerca de oito pontos porcentuais no estoque de dívidas em risco, já superior a 10%.

Exercícios como esse podem parecer muito abstratos, mas dão uma ideia do estrago causado por um retrocesso nas políticas fiscais – com consequente correção por meio dos juros – e nas políticas de comércio exterior. Se a esse quadro se adicionar um afrouxamento significativo da regulação bancária nos Estados Unidos, os danos serão agravados pelo deslocamento dos negócios financeiros na direção do mercado menos sujeito a controle.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.