Nacho Doce/Reuters
Nacho Doce/Reuters

Ford cancela 80 demissões e abre PDV em São Bernardo

No último dia 10, montadora havia demitido 364 metalúrgicos; PDV pagará 83% do salário por ano trabalhado

O Estado de S.Paulo

18 Agosto 2017 | 16h05

Em assembleia realizada na manhã desta sexta-feira, os trabalhadores na Ford que tiveram a demissão anunciada no último dia 10 aprovaram a proposta apresentada pela montadora após quatro dias de negociação com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Pelo acordo, retornarão à fábrica 80 do total de 364 metalúrgicos demitidos.

Ao restante dos trabalhadores será oferecido um PDV (Programa de Demissão Voluntária) que pagará o valor referente a 83% do salário por ano trabalhado, com acréscimo de R$ 30 mil àqueles metalúrgicos que têm até dez anos de fábrica. Aos trabalhadores que possuem restrição médica, o valor pago será referente a 140% do salário por ano trabalhado, mais R$ 7,5 mil.

+ Montadoras investem em robotização, mesmo com crise e fábricas ociosas

Como os trabalhadores tinham estabilidade até janeiro de 2018, garantida pelo acordo coletivo firmado em 2016, àqueles que não aderirem ao PDV a montadora pagará o valor de cinco salários referentes a esse período.

“Foi um processo muito difícil e o resultado que não atende a tudo, mas entendemos que foi o possível de construir”, avaliou o coordenador do Comitê Sindical na Ford, José Quixabeira de Anchieta. "Com muito esforço, conseguimos o retorno dos 80 trabalhadores. A empresa foi irredutível, alegando que haverá mais um corte no volume de produção em setembro."

Em nota, a Ford confirmou que, a pedido do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, vai reabrir na próxima semana o Programa de Demissão Voluntária (PDV) para os 364 empregados que estavam em lay off. "Também foi acordado que 80 empregados do grupo em TLO serão reintegrados ao trabalho na fábrica a partir da semana que vem. O efetivo restante será desligado para cumprir o objetivo de administrar o excesso de empregados decorrente da redução do volume de produção em São Bernardo do Campo", disse a empresa.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.