1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Fumo: indústria do tabaco ainda cresce no País

AE - Agencia Estado

03 Janeiro 2010 | 12h 29

As conquistas recentes das campanhas contra o consumo de cigarros e assemelhados não reduziram a força da cadeia da produção, processamento e comercialização do tabaco no Brasil. Graças às exportações, o segmento econômico segue vigoroso e, após alguns recuos entre 2005 e 2007, voltou a apresentar números crescentes.

Dados da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra) indicam que 223 mil famílias brasileiras cultivaram a planta em 408 mil hectares e produziram 792 mil toneladas na safra 2008/2009. Vinte anos atrás, esse número era muito menor. Na região Sul, responsável por 95% da produção brasileira, 127 mil famílias plantaram 202 mil hectares e colheram 368 mil toneladas.

A cadeia movimenta R$ 15,2 bilhões por ano. Destinou R$ 7,7 bilhões ao governo, em impostos, R$ 3,2 bilhões à indústria, R$ 3,3 bilhões ao produtor e R$ 927 milhões ao varejista.

O Brasil é o segundo maior produtor e o maior exportador mundial de fumo. Em 2008, vendeu 686 mil toneladas para cerca de 100 países ao preço de US$ 2,7 bilhões, segundo o SindiTabaco - Sindicato da Indústria do Fumo.

Vitórias

Enquanto estudiosos da área da saúde afirmam que o custo do tratamento dos males causados pelo cigarro é maior do que a arrecadação que o produto proporciona aos cofres públicos, agricultores e indústrias sustentam que vale a pena manter a atividade porque ela é mais rentável que outras culturas agrícolas e seguirá atendendo uma demanda mundial ainda crescente pelos derivados de tabaco. Paradoxalmente, os dois lados têm vitórias a comemorar, pelo menos no Brasil.

No País, a mobilização dos antitabagistas já conseguiu a proibição do uso de cigarros e assemelhados em ambientes públicos e privados, desde 1996, e em aviões e veículos de transporte coletivo, desde 2000.

Também conquistou o veto à propaganda em 2000 e as advertências sobre os riscos à saúde em embalagens, em 2001.

Quem frequenta ambientes coletivos fechados já nota a diferença que uma pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em novembro comprovou. O levantamento indica que o País tem 26 milhões de ex-fumantes, número superior aos 24,6 milhões de fumantes. Estes chegaram a corresponder a 32,4% da população em 1989 e agora estão reduzidos a 17,2%.

Produção

Apesar da queda no consumo, a produção de tabaco quase dobrou no mesmo período. O pico, no entanto, não ocorre na colheita atual, mas foi registrado na safra 2004/2005, quando 198 mil famílias plantaram em 439 mil hectares e produziram 843 mil toneladas, não chegando ao recorde de 851 mil toneladas do ano anterior por causa da estiagem. Desde então, houve um recuo para 180 mil famílias, 349 mil hectares e 714 mil toneladas na safra 2007/2008, e retomada da expansão até os números da safra atual.

O pico tem explicações na conjuntura internacional. No início da década, os agricultores brasileiros ampliaram o cultivo do tabaco para suprir a demanda das empresas processadoras, que haviam perdido fornecedores expulsos de suas terras pelo governo do Zimbábue, país que estava entre os principais produtores do mundo.

As exportações brasileiras saltaram de 334 mil toneladas em 1999 para 610 mil toneladas em 2005 e 700 mil toneladas em 2007, segundo o SindiTabaco. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.