JULIO_SOARES|OBJETIVAP | DIV
JULIO_SOARES|OBJETIVAP | DIV

Fundador da Marcopolo morre aos 90 anos

Fabricante de carrocerias de ônibus se consolidou como uma das companhias de capital nacional com atuação mais relevante no exterior

Impresso

15 Junho 2017 | 22h02

O empresário Paulo Bellini, um dos fundadores da empresa gaúcha Marcopolo, que está entre as maiores fabricantes de carrocerias de ônibus do mundo, morreu na manhã desta quinta-feira. O empresário, que completou 90 anos em janeiro, estava internado desde a semana passada.

O grupo confirmou, por meio de nota, o falecimento de Bellini, mas não deu mais detalhes sobre a causa da morte. “A companhia compartilha o pesar de sua família, dos inúmeros amigos e dos colaboradores que tiveram a oportunidade de trabalhar e conviver com ele”. O corpo do empresário vai ser cremado nesta sexta-feira

Natural de Caxias do Sul, Bellini foi um dos responsáveis pela internacionalização da marca de carrocerias de ônibus. Com faturamento de R$ 2,5 bilhões no ano passado, a companhia está presente em diversos países, incluindo Colômbia, Argentina, México, Índia, Egito, Austrália e África do Sul.

Fundada em agosto de 1949, em Caxias do Sul, a Marcopolo foi batizada inicialmente de Nicola & Cia – por causa da sociedade com a família Nicola. A empresa abriu as portas com oito sócios e 15 funcionários e foi uma das pioneiras em seu setor. O nome Marcopolo foi adotado a partir de 1968.

Vindo de uma família de oito irmãos, Bellini [1]deixou a cidade natal e foi estudar em Porto Alegre, onde se formou contador.[2] Iniciou as atividades na Marcopolo como sócio-gerente. [2][3]Passou a ocupar, em 1954, o cargo de diretor-gerente e, em 1971, foi eleito presidente. Seis anos mais tarde, passou a acumular também a presidência do conselho de administração. Após deixar o dia a dia da empresa, tornou-se presidente emérito.

Livro. Em 2012, Bellini lançou o livro Marcopolo: Sua Viagem Começa Aqui, pela Editora Campus Elsevier. À época, concedeu entrevista ao Estado e disse que a ideia do livro era perpetuar a cultura da companhia. Fez questão de colocar no livro as conquistas e derrotas da empresa.

“Nesses momentos de retrospectiva, as pessoas tendem a lembrar apenas de coisas boas. Se um sujeito pega o livro para ler lá na frente, vai pensar: esse tal de Bellini nunca teve pepino para resolver? E isso está longe de ser verdade”, lembrou Bellini. “Nossa história foi construída por crises. Nós já nascemos no meio de uma crise. Quase quebramos, mas estamos aqui”, afirmou o empresário, à época.

Mais conteúdo sobre:
Marcopolo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.