1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Fundo de pensão da Petrobrás barra recuperação judicial da Sete Brasil

- Atualizado: 19 Janeiro 2016 | 21h 16

Para o Petros, pedido de recuperação só pioraria a já frágil condição da empresa de sondas, que não tem ativos para negociar

O fundo de pensão da Petrobrás, o Petros, atuou em defesa da estatal para evitar que a empresa Sete Brasil entre com pedido de recuperação judicial e, assim, pressione a Petrobrás para fechar contrato de construção e operação de embarcações que serão instaladas no pré-sal, segundo fonte a par das negociações. A discussão sobre o pedido de recuperação começou a ser tratada na segunda-feira em reunião dos sócios, entre eles o Petros, e prosseguiu até esta terça-feira, 19. Ao fim do dia, a proposta foi derrubada.

Ao iniciar um processo de negociação com credores e suspender pagamentos, a Sete Brasil esperava sensibilizar a Petrobrás e o governo para a necessidade de fechar o acordo e evitar a demissão em estaleiros onde já estão em obras seis embarcações. A Sete Brasil foi criada por iniciativa da Petrobrás para que desse conta de 28 sondas do pré-sal. Sem dinheiro em caixa, a petroleira, no entanto, reduziu o número de embarcações para 15 e ainda ameaça importar todos os equipamentos para aproveitar as baixas taxas de afretamento (aluguel) no mercado internacional. 

Contra a Sete Brasil ainda pesam as denúncias de corrupção que vieram à tona na Operação Lava Jato. O receio de assinar contrato com uma fornecedora envolvida em escândalos de desvio de recursos está levando o pessoal técnico da Petrobrás a postergar indefinidamente as negociações, disse a fonte. Por isso, a proposta de alguns dos sócios de entrar com a recuperação judicial e forçar a petroleira a concluir o acordo, antes que o semestre se encerre e o dinheiro de custeio se esgote. Há 14 meses a empresa não paga estaleiros. Ela carrega dívida de R$ 14 bilhões com bancos, que se somam aos R$ 8,3 bilhões investidos sem retorno. 

Fragilidade. Na reunião de terça, os sócios Petros e Santander argumentaram que a recuperação judicial apenas pioraria a já frágil condição financeira da Sete Brasil, que não possui qualquer ativo para negociar com credores. A Petrobrás e o FI-FGTS se abstiveram, alegando conflito de interesse. Os demais sócios são os bancos Bradesco e BTG Pactual e os fundos de pensão da Vale (Valia), Caixa Econômica (Funcef) e Banco do Brasil (Previ).

 

A aprovação da recuperação dependia do voto favorável de 85% dos cotistas do fundo de investimento controlador, o FIP Sondas. Sem a adesão, a proposta não poderá mais ser levada à assembleia de acionistas que será realizada amanhã. Mas há chance de o tema voltar a debate daqui a um mês. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX