Reuters
Reuters

Gastos do brasileiro no exterior crescem 15,2% em outubro, aponta BC

Relatório do Banco Central divulgado nesta quinta-feira, 23, mostra que as despesas líquidas com viagens internacionais totalizou US$ 1,2 bilhão no mês de outubro

Fabrício de Castro e Fernando Nakagawa, O Estado de S.Paulo

23 Novembro 2017 | 11h39

BRASÍLIA - Após o superávit de US$ 434 milhões em setembro, o resultado das transações correntes ficou negativo em US$ 343 milhões em outubro, informou nesta quinta-feira, 23, o Banco Central. A instituição projetava para o mês passado déficit em conta de US$ 1 bilhão. Apesar do déficit, o resultado de outubro é o melhor para o mês desde outubro de 2007, quando houve déficit de US$ 216,5 milhões.

A despesa líquida com viagens internacionais totalizou US$1,2 bilhão, 18,9% superior à registrada em outubro de 2016, resultado do crescimento dos gastos de residentes no Brasil em viagens ao exterior, 15,2%, enquanto observou-se aumento de 6,7% das receitas auferidas em viagens ao País. A conta de aluguel de equipamentos apresentou deficit de US$1,3 bilhão em outubro, recuo de 21,1% comparativamente ao mesmo mês do ano anterior.

O saldo negativo de viagens internacionais cresceu quase 20% em outubro, informou nesta quinta-feira, 23, o Banco Central. No mês passado, quando o dólar subiu mais de 3% ante o real, a diferença entre o que os brasileiros gastaram lá fora e o que os estrangeiros desembolsaram no Brasil resultou em saldo negativo de US$ 1,174 bilhão. Em igual mês de 2016, o déficit havia sido de US$ 988 milhões. Em um ano, portanto, houve alta de 18,8%.

O desempenho da conta de viagens internacionais foi determinado por despesas de brasileiros no exterior, que somaram US$ 1,637 bilhão em outubro. Já o gasto dos estrangeiros em passeio pelo Brasil ficou em US$ 463 milhões no mês passado.

No acumulado do ano até outubro, o saldo líquido dessa conta está negativo em US$ 10,959 bilhões. Em igual período do ano passado, esse valor era de US$ 8,473 bilhões. Para 2017, o BC estima um déficit de US$ 13,5 bilhões para esta rubrica, mais que os US$ 8,473 bilhões de déficit registrados em 2016. No caso de 2018, a projeção do BC é de déficit de US$ 17,3 bilhões em viagens.

Balança comercial. A balança comercial registrou saldo positivo de US$ 4,911 bilhões em outubro, enquanto a conta de serviços ficou negativa em US$ 2,704 bilhões. A conta de renda primária também ficou deficitária, em US$ 2,765 bilhões. No caso da conta financeira, o resultado ficou no azul em US$ 22 milhões.

No acumulado do ano até outubro, o rombo nas contas externas soma US$ 3,033 bilhões.

Já nos últimos 12 meses até outubro deste ano, o saldo das transações correntes está negativo em US$ 9,648 bilhões, o que representa 0,48% do Produto Interno Bruto (PIB).

Investimento estrangeiro.  Os Investimentos Diretos no País (IDP) somaram US$ 8,240 bilhões em outubro.  No acumulado de 2017 até outubro, o ingresso de investimentos estrangeiros destinados ao setor produtivo soma US$ 60,013 bilhões No acumulado dos 12 meses até outubro deste ano, o saldo de investimento estrangeiro ficou em US$ 83,269 bilhões, o que representa 4,14% do Produto Interno Bruto (PIB).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.