1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Gestão de estatais é alvo de negociação

- Atualizado: 03 Março 2016 | 05h 00

Projeto proíbe que ministros e filiados a partidos políticos façam parte do conselho

BRASÍLIA - No movimento de aproximação que faz com a oposição, o governo elegeu como a principal preocupação a chamada Lei de Responsabilidade das Estatais. A proposta define regras de gestão e transparência para serem aplicadas às sociedades de economia mista e empresas públicas vinculadas à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos municípios. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), anunciou que a proposta será votada em plenário na próxima quarta-feira.

A tentativa do governo de se aproximar da oposição vem no momento em que tanto o presidente do Senado quanto o da Câmara, Eduardo Cunha, disseram que vão colocar em votação uma agenda econômica própria, diferente dos interesses do governo, como a autonomia do Banco Central.

Senador Tasso Jereissati é o relator do projeto da Lei das Estatais

Senador Tasso Jereissati é o relator do projeto da Lei das Estatais

Desde o início da semana, o governo escalou o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, o secretário executivo da pasta, Dyogo Oliveira, e senadores aliados para discutir os termos da proposta de mudança na governança das estatais com o relator, o tucano Tasso Jereissati (CE), e com os líderes partidários. Numa rara deferência política para a gestão petista, Oliveira e o líder do governo no Senado, Humberto Costa (PT-PE), reuniram-se na última terça-feira com Tasso no gabinete dele para discutir o projeto.

Costa também conversou com dois críticos da proposta, Lindbergh Farias (PT-RJ) e Roberto Requião (PMDB-PR), para chegar a um consenso em torno do projeto. A intenção é evitar a apresentação de emendas ou textos alternativos.

Um dos principais pontos de entrave é o que proíbe filiados de partidos políticos a integrarem conselho de administração de estatais. Tasso é a favor, mas o governo e o PT são contra. Outro ponto polêmico é o que impede que ministros de Estado também façam parte desses conselhos. A tendência é que pelo menos esses dois pontos sejam votados separadamente do texto principal, que poderá ser aprovado por acordo.

O presidente do Senado disse ao Estado que “90%” do texto já está pacificado após a rodada de conversas. “O que não estiver pacificado, acerta um procedimento para votar. O Congresso não pode deixar de votar essas matérias controversas e não pode substituí-las por uma pauta-bomba que acabe de inviabilizar o Brasil do ponto de vista fiscal”, disse Renan.

Fundos. No caso do projeto que institui novas regras de governança para os fundos de pensão, o presidente do PSDB e relator da proposta, senador Aécio Neves (MG), concordou em não votar o projeto na Comissão de Constituição e Justiça nesta quarta-feira, 2, após um pedido do líder do governo no Congresso, senador José Pimentel (PT-CE).

Segundo Aécio, um dos pontos de divergência com o governo é o estabelecimento de uma quarentena para que dirigentes partidários possam participar de conselhos e diretorias dos fundos de pensão. “Eles (o governo) têm uma visão tão tacanha, é uma proposta tão estruturante para o País, mas eles querem salvar os dirigentes que estão nos fundos”, criticou.

Aécio disse ter ressalvas aos sinais de abertura de diálogo pelo Planalto. Ele lembra que o governo apoiou, no Senado, o projeto do senador tucano José Serra (SP) sobre o pré-sal, mas posteriormente Dilma queria o apoio do PDT para derrubar a proposta na Câmara.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX