1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

GM confirma demissão de cerca de 600 na fábrica de São José

- Atualizado: 29 Janeiro 2016 | 09h 16

Grupo estava em lay-off havia 5 meses e saída já era prevista; queda na venda de carros neste mês deve ficar perto de 40%

Em agosto, funcionários foram postos em lay-off

Em agosto, funcionários foram postos em lay-off

SÃO PAULO - A General Motors formaliza hoje a demissão de um grupo de funcionários da fábrica de São José dos Campos (SP) que estava em lay-off (contratos suspensos temporariamente) há cinco meses. Segundo a GM, o grupo era formado por 798 trabalhadores, mas o Sindicato dos Metalúrgicos afirma que parte deles se inscreveu num programa de demissão voluntária e o corte deve atingir cerca de 600 pessoas.

Esse pessoal havia sido demitido em agosto, mas, após greve de duas semanas, a empresa fez acordo no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de Campinas e aceitou colocá-los em lay-off, com a condição de dispensa após o término do programa.

A fábrica de São José emprega cerca de 5 mil trabalhadores e produz a picape S10 e o utilitário Trailblazer, além de componentes. Na semana passada, os funcionários entraram em greve reivindicando valor maior da segunda parcela de Participação nos Lucros e Resultados (PLR). Eles voltaram ao trabalho nesta terça-feira, depois que a empresa aumentou o valor de R$ 4.250 para R$ 5,6 mil.

Vendas em queda. A indústria automobilística deve registrar em janeiro o pior mês em vendas dos últimos nove anos. Até quarta-feira, apenas 136 mil veículos foram vendidos, o que significa queda de 36% em relação ao mesmo período de um ano atrás e de 31% ante dezembro.

Pela fraca média diária, em torno de 7,6 mil unidades, as vendas devem ficar abaixo de 160 mil veículos. Números inferiores a esse foram registrados em janeiro (152,9 mil unidades) e fevereiro (146,7 mil) de 2007. Em janeiro passado foram vendidos 253,8 mil veículos.

Em 2015, o setor registrou queda de 26,6% em comparação a 2014, com 2,56 milhões de veículos vendidos, incluindo caminhões e ônibus. Para este ano, a projeção das fabricantes é de novo recuo de 7,5%.

As montadoras iniciaram o ano com medidas de corte de produção. A Fiat deu férias coletivas por 20 dias, a partir da última quarta-feira, para a maioria dos funcionários da fábrica de Betim (MG). Das quatro linhas de produção, só uma funcionará no período.

A Ford vai dispensar os trabalhadores durante três semanas em fevereiro na fábrica de Camaçari (BA). O mesmo fará a GM nas filiais de Gravataí (RS) e Joinville (SC). A Ford também iniciou o ano com jornada reduzida na unidade de São Bernardo do Campo (SP) – os funcionários não trabalham às sextas-feiras –, assim como já fazem outras montadoras, entre as quais a Volkswagen e a Mercedes-Benz na mesma cidade. Já em Taubaté, a Ford reduzirá a jornada a partir de março, após adesão ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE).

Mesmo com a queda das vendas, modelos da linha 2016 começam a chegar às lojas com reajustes de preços.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX