Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia & Negócios

Economia » GM confirma demissão de cerca de 600 na fábrica de São José

Economia & Negócios

NILTON CARDIN

GM confirma demissão de cerca de 600 na fábrica de São José

Grupo estava em lay-off havia 5 meses e saída já era prevista; queda na venda de carros neste mês deve ficar perto de 40%

0

Cleide Silva,
O Estado de S.Paulo

29 Janeiro 2016 | 08h45

SÃO PAULO - A General Motors formaliza hoje a demissão de um grupo de funcionários da fábrica de São José dos Campos (SP) que estava em lay-off (contratos suspensos temporariamente) há cinco meses. Segundo a GM, o grupo era formado por 798 trabalhadores, mas o Sindicato dos Metalúrgicos afirma que parte deles se inscreveu num programa de demissão voluntária e o corte deve atingir cerca de 600 pessoas.

Esse pessoal havia sido demitido em agosto, mas, após greve de duas semanas, a empresa fez acordo no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de Campinas e aceitou colocá-los em lay-off, com a condição de dispensa após o término do programa.

A fábrica de São José emprega cerca de 5 mil trabalhadores e produz a picape S10 e o utilitário Trailblazer, além de componentes. Na semana passada, os funcionários entraram em greve reivindicando valor maior da segunda parcela de Participação nos Lucros e Resultados (PLR). Eles voltaram ao trabalho nesta terça-feira, depois que a empresa aumentou o valor de R$ 4.250 para R$ 5,6 mil.

Vendas em queda. A indústria automobilística deve registrar em janeiro o pior mês em vendas dos últimos nove anos. Até quarta-feira, apenas 136 mil veículos foram vendidos, o que significa queda de 36% em relação ao mesmo período de um ano atrás e de 31% ante dezembro.

Pela fraca média diária, em torno de 7,6 mil unidades, as vendas devem ficar abaixo de 160 mil veículos. Números inferiores a esse foram registrados em janeiro (152,9 mil unidades) e fevereiro (146,7 mil) de 2007. Em janeiro passado foram vendidos 253,8 mil veículos.

Em 2015, o setor registrou queda de 26,6% em comparação a 2014, com 2,56 milhões de veículos vendidos, incluindo caminhões e ônibus. Para este ano, a projeção das fabricantes é de novo recuo de 7,5%.

As montadoras iniciaram o ano com medidas de corte de produção. A Fiat deu férias coletivas por 20 dias, a partir da última quarta-feira, para a maioria dos funcionários da fábrica de Betim (MG). Das quatro linhas de produção, só uma funcionará no período.

A Ford vai dispensar os trabalhadores durante três semanas em fevereiro na fábrica de Camaçari (BA). O mesmo fará a GM nas filiais de Gravataí (RS) e Joinville (SC). A Ford também iniciou o ano com jornada reduzida na unidade de São Bernardo do Campo (SP) – os funcionários não trabalham às sextas-feiras –, assim como já fazem outras montadoras, entre as quais a Volkswagen e a Mercedes-Benz na mesma cidade. Já em Taubaté, a Ford reduzirá a jornada a partir de março, após adesão ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE).

Mesmo com a queda das vendas, modelos da linha 2016 começam a chegar às lojas com reajustes de preços.

Comentários