1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

GM estuda cancelar investimento no País

- Atualizado: 21 Fevereiro 2016 | 05h 00

Sem perspectiva. Presidente mundial da General Motors, Dan Ammann, diz que se a situação política e econômica não melhorar nos próximos 6 a 12 meses, a empresa terá de reavaliar os investimentos de R$ 6,5 bilhões anunciados para o Brasil até 2019

A General Motors pode rever seu plano de investimento no Brasil de R$ 6,5 bilhões, anunciado em julho passado, e com previsão de cobrir gastos até 2019. O presidente mundial da empresa, Dan Ammann, teme que o País continue com a economia paralisada, o que impedirá a reação do mercado automobilístico nos próximos anos. “Tenho esperança de ver sinais de avanços políticos e econômicos nos próximos 6 a 12 meses, o que vai nos permitir seguir o curso do investimento planejado.” Do contrário, afirma ele, “vamos reavaliar”.

Número dois no comando da GM global – ele se reporta à executiva Mary Barra –, Ammann esteve no País na terça-feira e na quarta-feira para ver o andamento de novos projetos. Em entrevista ao Estado, mostrou-se bastante preocupado com a situação local. “Estamos aqui há 91 anos e estamos acostumados com ciclos de altas e baixas no Brasil e na América do Sul, mas o que mais nos preocupa agora é que pode não haver solução nos próximos três anos.”

Dan Ammann, presidente mundial da General Motors
Dan Ammann, presidente mundial da General Motors

Em julho de 2015, Ammann esteve com a presidente Dilma Rousseff, em Brasília, e anunciou o aporte de R$ 6,5 bilhões, boa parte para o desenvolvimento de novos produtos e tecnologias. Na época, o mercado automobilístico como um todo já registrava queda de vendas na casa dos 20%. Mas, de lá para cá, o cenário piorou. Os negócios caíram 26,6% em relação a 2014. Fábricas suspenderam a produção várias vezes e reduziram o quadro de pessoal em 14,7 mil trabalhadores. Este ano, o mercado começou com nova queda de quase 40% nas vendas anualizadas em janeiro.

Ammann ressalta que o novo pacote de investimento só começará a ser efetivamente aplicado em 2017, o que dá tempo para avaliar seu cancelamento. “Dividimos nossas responsabilidades com os acionistas e qualquer investimento tem de ser avaliado à luz de um retorno”, reforça Barry Engle, presidente da GM para a América do Sul.

Embora não citem a palavra impeachment, os executivos da GM defendem mudanças para a volta do crescimento. “Como isso vai acontecer, depende da população brasileira”, diz Engle. “Precisa haver desesperadamente uma revisão fiscal e reformas tributária, trabalhista e regulatória. O Brasil é terrivelmente não competitivo.”

“A pergunta mais importante é saber quando vamos ver a estabilidade para criar uma situação que permita continuar nossos investimentos”, diz Ammann. “Estamos preocupados, pois o ambiente está instável e sem previsão para os próximos anos.” Ele sugere ao Brasil observar o que ocorre na Argentina. “O país demonstrou como a situação pode mudar rapidamente com uma liderança correta na economia.” Para ele, o mesmo tipo de perspectiva pode ocorrer no Brasil, “se as mudanças corretas acontecerem”.

Fábricas. Como as demais montadoras, a GM opera com elevada ociosidade, mas é a marca com maior número de fábricas no País. São três de automóveis – São Caetano do Sul, São José dos Campos (SP) e Gravataí (RS) – e duas de componentes – Joinville (SC) e Mogi das Cruzes (SP). Ao ser questionado sobre possível desativação de alguma delas, Ammann afirma ser “muito cedo para decidir isso”. No ano passado, o grupo encerrou atividades na Rússia por não ver futuro no negócio.

“Obviamente, as condições atuais do mercado são muito desafiadoras, mas estamos tocando nosso negócio de forma a otimizar os recursos numa situação difícil”, afirma ele. “Mantemos a visão de que, no longo prazo, existe um grande potencial de mercado no Brasil, mas é preciso uma grande mudança para se chegar a esse potencial.”

Há até pouco tempo, as montadoras falavam num mercado de quase 5 milhões de veículos no Brasil. Em 2012, as vendas atingiram 3,8 milhões de unidades (com caminhões e ônibus), mas, desde então, passaram a cair. Em 2015, foram comercializados 2,6 milhões de veículos. A GM trabalha com projeção de 2 milhões para este ano, abaixo da aposta da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), que é de 2,37 milhões de veículos.

O câmbio desvalorizado poderia ajudar na exportação, mas, no caso da GM, acaba atrapalhando, diz Ammann. “Temos nossas receitas e custos em moeda local, e importamos alguns componentes. Por isso, uma moeda fraca é negativa para a gente.” Ele diz ainda que, para criar oportunidades de exportação de longo prazo é preciso ter um ambiente regulatório estável, regras comerciais, regime mais simples de impostos, “e a gente não tem nada disso aqui”.

Além disso, segundo a GM, mesmo com dólar a R$ 4,50 o Brasil não é competitivo, pois outros países também desvalorizaram suas moedas, especialmente na América do Sul, principal cliente da marca.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX