Carlos Silva/Mapa
Carlos Silva/Mapa

Governo anuncia auditoria em frigoríficos após embargo dos EUA à carne bovina

Técnicos do Ministério da Agricultura vão verificar a qualidade das vacinas contra a febre aftosa para evitar os abcessos encontrados nos produtos exportados

Fabrício de Castro, Broadcast

23 Junho 2017 | 17h59

O secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Eumar Novacki, afirmou na tarde desta sexta-feira, 23, que a pasta determinou auditoria rígida nos frigoríficos brasileiros habilitados a exportar carne bovina in natura para os EUA. A medida é uma reação à suspensão, anunciada ontem pelos EUA, da compra de carne brasileira.

Ele comentou, também, que os técnicos da Agricultura vão verificar a qualidade das vacinas aplicadas, já que os abscessos detectados pelos EUA na carne bovina são atribuídos à vacina contra febre aftosa. "Vamos fazer uma investigação para verificar onde está o problema", acrescentou Novacki, ao citar as medidas tomadas para enfrentar o problema do embargo. O secretário afirmou ainda que, em setembro, o secretário da área nos EUA deve visitar o Brasil.

"Não há risco de saúde pública, há reação à vacina da febre aftosa. Os EUA detectaram o problema e reportaram isso para nós", disse o secretário.

Novacki também lembrou que existe uma grande pressão no mercado norte-americano para que barreiras à carne brasileira sejam erguidas. "Os EUA são um grande competidor global. Eles não conseguiram ainda se consolidar no (mercado do) Brasil, pela questão dos (altos) preços (da carne deles)", disse. No caso do Brasil, de acordo com Novacki, 15 plantas exportam atualmente para os EUA. Todas estão suspensas desde ontem.

+ 'HOUVE PRESSÃO DOS PECUARISTAS AMERICANOS', DIZ MINISTRO DA AGRICULTURA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.