1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Governo confirma parcela mínima de R$ 80 no 'Minha Casa 3'

- Atualizado: 13 Janeiro 2016 | 20h 21

Valor é superior à prestação mínima de R$ 25 que os beneficiários pagam na segunda etapa do programa de habitação do governo federal

O governo confirmou nesta quarta-feira que a parcela mínima da prestação da terceira etapa do Minha Casa Minha Vida será de R$ 80. Na segunda etapa, o valor mínimo que os beneficiários pagam nas prestações é de R$ 25.

O anúncio desse valor foi feito em setembro de 2015, quando o governo divulgou as condições da terceira etapa do programa de habitação popular. Hoje, o Ministério das Cidades informou que não houve alteração no valor mínimo que será pago pelas famílias que ganham até R$ 800 por mês.

Famílias com renda entre R$ 800 e R$ 1.2 mil pagarão o correspondente a 10% da renda e as que ganham entre R$ 1.2 mil e R$ 1.8 mil, 15%. Na divulgação em setembro, o governo tinha anunciado que famílias com renda mensal entre R$ 1.6 mil e R$ 1.8, pagariam 20%. Nesta quarta, porém, voltou atrás ao informar que a parcela máxima do faixa 1 será de 15% da renda.

Como mostrou a edição do Estado desta quarta-feira, a terceira etapa do Minha Casa Minha Vida saiu do papel neste mês, um ano depois do início do segundo mandato da petista, mas deixou de fora a população que mais precisa do programa de habitação popular. As contratações com as novas regras da terceira fase só começaram para as chamadas faixas 2 e 3 do MCMV, famílias com renda mensal de até R$ 3,6 mil e R$ 6,5 mil, respectivamente.

Por causa da frustração de recursos, não há previsão oficial de quando começarão as contratações para as famílias que ganham até R$ 1,8 mil por mês, pertencentes à chamada faixa 1 do programa. Para esse público, o subsídio - com recursos do Orçamento Geral da União (OGU) - pode chegar até 95% do valor do imóvel. Também está emperrada a faixa 1,5, grande novidade desta terceira etapa, que contempla famílias com renda mensal de até R$ 2.350.

A presidente da Caixa, Miriam Belchior, disse, nesta quarta, que as contratações dessas duas faixas sairão "logo, logo", mas não quis estabelecer um prazo.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX