1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Governo deve buscar soluções de longo prazo, diz economista

- Atualizado: 19 Fevereiro 2016 | 10h 56

Para Rodrigo Soares, educação, saúde e infraestrutura são prioridade para tirar o Brasil da crise

O economista Rodrigo Soares, especialista no estudo de desenvolvimento econômico e professor da FGV, acredita que uma das saídas para a crise no Brasil é buscar soluções de longo prazo para as áreas de educação, saúde, segurança e infraestrutura. Em sua avaliação, o governo deixou de lado essas questões na última década e privilegiou a transferência de renda e o financiamento de bens de consumo duráveis.

Soares pondera que os programas de transferência de renda, como o Bolsa Família, tiveram impacto relevante na redução da miséria, mas ressalta que o País poderia estar hoje numa situação melhor.

Para ele, medidas como a política de juros subsidiados do BNDES às empresas e a exigência de conteúdo local para a Petrobrás foram opções equivocadas.

"Espero que exista um aprendizado no sentido das decisões políticas, de entender um pouco mais a economia que está dentro da política", diz.

A entrevista foi gravada durante o Lemann Dialogue, uma conferência que reúne alunos bolsistas da Fundação Lemann das Universidades de Columbia, Harvard, Illinois e Stanford. O tema desta quinta edição foi "Inovando o setor público brasileiro". 

O conteúdo integra a plataforma UM BRASIL, idealizada pela FecomercioSP, que nesta série conta com a parceria do Columbia Global Center no Rio de Janeiro e do Lemann Center for Brazilian Studies da Universidade Columbia.

As gravações aconteceram em Nova York, entre os dias 16 e 20 de novembro de 2015. Confira a íntegra da entrevista.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX