1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Governo deve enviar projeto de revisão da meta fiscal ao Congresso nesta quarta

- Atualizado: 22 Março 2016 | 19h 53

Barbosa disse que a equipe econômica ainda está trabalhando a partir das revisões de receitas e gastos para definir a nova meta

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, afirmou nesta terça-feira, 22, que enviará ao Congresso, amanhã o projeto que propõe a mudança na meta fiscal de 2016. Ao sair de um encontro com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ele explicou que hoje o governo publicou o decreto de programação orçamentária e financeira e que prevê um contingenciamento de R$ 21 bilhões.

O ministro disse que ainda não tinha um número para a nova meta, mas afirmou que a equipe da Fazenda está trabalhando nele a partir das revisões de receitas e despesas e, até quarta, terá um projeto consolidado. "Estamos fechando esse número e teremos ele amanhã", disse.  

Barbosa apresentou aos presidentes da Câmara e do Senado um Projeto de Lei Complementar (PLC) que trata de algumas reformas classificadas por ele como estruturais. Segundo ele, o projeto prevê o alongamento da dívida dos Estados; um limite para o gasto primário da União; um regime de contingenciamento para períodos de baixo crescimento; e a criação de depósitos remunerados voluntários no Banco Central.

Barbosa se reuniu primeiro com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e depois se encontrou com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Ao sair da reunião com Renan, o ministro defendeu que o projeto seja votado com urgência. Aos jornalistas, Barbosa afirmou: "O presidente da Câmara disse que a intenção é colocar em votação na semana que vem, mas essa é uma decisão do Legislativo".

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX