Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Governo diz que rejeição à reforma da Previdência caiu

Pesquisa encomendada ao Ibope mostra que 46% dos brasileiros são contra alterações na Previdência, mas em abril essa taxa era de 61%

Carla Araújo e Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

04 Dezembro 2017 | 22h48

BRASÍLIA – No trabalho de convencimento que o presidente Michel Temer tenta fazer em torno da reforma da Previdência, além de mostrar estimativas ruins para a economia caso a reforma não seja aprovada, o governo tem em mãos dados de uma pesquisa encomendada ao Ibope que aponta uma queda na rejeição da população em relação às mudanças na aposentadoria.

O Estadão/Broadcast teve acesso aos dados da pesquisa que ouviu 1.200 pessoas em novembro e constatou que 46% dos brasileiros são contrários à reforma. Em abril, o número era de 61%.

++'Municípios terão R$ 3 bi se reforma da Previdência for aprovada', diz Eliseu Padilha

O levantamento mostrou ainda que, no mesmo período (de abril para novembro), subiu de 14% para 18% a parcela dos que são a favor da reforma. Além disso, subiu de 24% para 33% aqueles que não sabem ou não têm opinião formada.

A avaliação de auxiliares do presidente é que finalmente a "batalha da comunicação" começou a melhorar e o governo agora tem dados para contrapor o argumento de parlamentares de que a reforma é prejudicial para o desempenho eleitoral dos políticos.

O levantamento, realizado por telefone, traz ainda outro dado que o governo pretende explorar no esforço de convencimento.

Quando o pesquisador informa aos ouvintes que a reforma "não vai mexer na aposentadoria rural", "não tira direitos adquiridos" e também não mexe em benefícios como o Benefício de Prestação Continuada (BPC), pago a idosos e pessoas de baixa renda, a aceitação ao texto sobe.

++Partidos sugerem 'pacto' com Temer para aprovar a reforma da Previdência

Neste cenário, o total de pessoas a favor sobe de 18% para 26%. Os contrários caem de 46% para 30% e os que não sabem cresce de 33% para 42%.

Segundo um auxiliar do presidente, essa parcela que ainda não consegue decidir se é a favor ou contra o texto precisa ser atingida. "A resistência cai muito com as informações que estamos passando, por isso estamos e vamos explorar cada vez mais esse discurso", disse um interlocutor.

O "combate aos privilégios" é o mote da campanha lançada pelo governo no dia 17 de novembro. Nesta primeira fase da campanha já foram gastos cerca de R$ 25 milhões.

++Por Previdência, governo sinaliza desembolso bilionário a prefeituras em 2018

O governo já tem separado outros R$ 72 milhões para a publicidade e boa parte do recurso deve turbinar a campanha da Previdência, principalmente na TV, onde boa parte das pessoas ainda se informa.

Economia e eleições. Os argumentos usados por governistas também incluem prognósticos ruins para o cenário eleitoral caso a reforma não avance. No jantar promovido no domingo, a equipe econômica usou como argumento a perspectiva de consolidação do crescimento a partir de junho de 2018, justamente no período eleitoral.

A narrativa foi de que, sem a reforma, o cenário para o próximo ano será de "aperto" e os governistas não terão o que mostrar no palanque porque não haverá recursos para investimentos.

Líderes partidários saíram do encontro convictos de que, se não houver um sinal positivo para o mercado sobre o andamento das reformas, todo esforço de ajuste do governo estará perdido.

A equipe econômica fez projeções e mostrou os efeitos negativos para o País se a reforma não avançar, o que inclui rebaixamento de nota das agências de classificação de risco e falta de investimentos.

"O mercado tem reagido positivamente à agenda de reformas e os efeitos são paulatinos, mas isso tem um prazo para isso se consolidar. A ruptura disso, ou seja, não votar, no mercado, o efeito é imediato", resumiu o líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

Os governistas fizeram um pacto de não divulgar mais o número exato de votos favoráveis para aprovação da PEC, mas o líder governista admitiu que ainda não há sequer 205 dos 308 apoios necessários para aprovar a proposta em dois turnos. "Não tem como mudar (voto) do dia para a noite. Não é mágica, é uma construção que tem que se fazer", afirmou o parlamentar. A mobilização será feita até a próxima quinta-feira, 7, e, se houver votos, a votação do primeiro turno ficará para a semana seguinte.

A estratégia, segundo o deputado Beto Mansur (PRB-SP), é não fazer mais nenhuma alteração na última versão do texto apresentada há duas semanas pelo relator, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), deixando a negociação para o plenário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.